O guarda-redes brasileiro Júlio César não acredita que as 'farpas' lançadas por Jorge Jesus ao longo da temporada tenham sido responsáveis pelo crescimento da união no seio do plantel do Benfica. O guardião prefere atribuir a responsabilidade a Rui Vitória.

"O que aconteceu foi que os jogadores seguiram um novo comandante que tinha ideias bem esclarecidas na cabeça, que foi o Rui Vitória. Quando se muda, é complicado aplicar uma nova filosofia de trabalho mas ele encontrou um grupo de jogadores inteligentes que conseguiu assimilar as ideias dele. Foi um conjunto desses dois fatores", salientou, em entrevista à Antena 1.

"'Farpas' lançadas por Jesus? Faz parte do futebol e do negócio. É como no boxe: para promover o combate, os lutadores lançam 'farpas' e, de repente, a casa fica cheia. Jorge Jesus é assim, ele gosta desse tipo de espetáculo", explicou o guarda-redes, que trabalhou com o técnico na Luz em 2014/15.

Quanto a Rui Vitória, Júlio César salienta a justiça do critério de seleção do treinador: "Sempre deixou claro que não há nomes, há trabalho. Isso é bom para manter a união do grupo e fazer com que todos remem na mesma direção. Aqueles que sentam que têm nome ou que ganharam mais títulos têm de pedalar com ele, caso contrário, não jogam. Isso é bom".

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.