A Juventude Leonina acusou esta terça-feira o Sporting de ter cortado a água e a luz na sua sede, após o jogo do último domingo em Barcelos.

"Como a nossa equipa de futebol está a fazer um campeonato brilhante, e que como claramente, a culpa disso, é dos GOA, a primeira medida desta Direção, após o jogo em Barcelos, foi cortar a água e a luz à sede da Juventude Leonina", pode ler-se na página de Facebook da claque.

"É caso para dizer, que em relação à equipa de futebol, Frederico Varandas, continua a não estar preocupado... pois realmente o grande problema do Sporting Clube de Portugal, é daqueles que percorrem o país de lés a lés, ao frio, à chuva, que gastam do seu ordenado e abdicam de estar com as suas famílias para apoiar o Sporting Clube de Portugal", critica a Juventude Leonina.

A Juve Leo revelou ainda que foi apresentada uma queixa à Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto, depois de alguns adeptos terem sido impedidos de entrar com adereços no Estádio Cidade de Barcelos.

Leia o comunicado na íntegra:

"A Juventude Leonina foi ontem surpreendida com mais um acto de perseguição por parte da Direcção do Sporting Clube de Portugal.
Como a nossa equipa de futebol está a fazer um campeonato brilhante, e que como claramente, a culpa disso, é dos GOA, a primeira medida desta Direção, após o jogo em Barcelos, foi cortar a água e a luz à sede da Juventude Leonina.

É caso para dizer, que em relação à equipa de futebol, Frederico Varandas, continua a não estar preocupado...pois realmente o grande problema do Sporting Clube de Portugal, é daqueles que percorrem o país de lés a lés, ao frio, à chuva, que gastam do seu ordenado e abdicam de estar com as suas famílias para apoiar o Sporting Clube de Portugal.

Posto isto e na sequência dos acontecimentos ocorridos no jogo Gil Vicente Sporting, em que vários adeptos se viram impedidos de entrar com os seus cachecóis e camisolas, a Juventude Leonina, na qualidade de associada da Associação Portuguesa de Defesa do Adepto, e através da mesma, fez chegar uma queixa à Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto.

Queixa essa em que aqui deixamos o texto:

"No domingo passado no Estádio de Barcelos, adeptos do Sporting Clube de Portugal viram vedada a sua entrada no recinto desportivo, sem qualquer aviso prévio e depois de mais de 300 kms percorridos a chegar a Barcelos, por exibirem camisolas, gorros, cachecóis e outros pequenos acessórios de apoio, em virtude de conterem inscrições referentes tanto à Juventude Leonina, como ao grupo Directivo Ultras XXI.
Tanto a Juventude Leonina como o Directivo Ultras XXI, de imediato procuraram institucionalmente representação nesta matéria, de forma a marcar uma posição e lançar mão dos direitos que assistem a qualquer adepto, depois de ser alvo deste tipo de atitudes déspotas e sem qualquer cabimento legal.
Na qualidade de associados da Associação Portuguesa de Defesa do Adepto, instituição de direito privado que representa os Adeptos em Portugal, expusemos o sucedido e foi por esta associação prestado todo o apoio, tendo sido de imediato encaminhada uma queixa formal à Autoridade de Prevenção e Combate à Violência no Desporto, por restrição injustificada de direitos que estão previstos na Constituição da República Portuguesa, por parte do Promotor Desportivo.
Não houve lesão da parte destes adeptos de quaisquer valores desportivos que merecesse esta atitude arbitrária e tirana. Houve sim, como é nosso apanágio, muitos euros gastos em gasolina e portagem, sacrifício nas nossas vidas pessoais a um domingo à noite, em vésperas de dia de trabalho, em troca de mais uma falta de respeito por quem teima, por paixão, alimentar o amor a um clube.
Da queixa apresentada formalmente junto da Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto, nada se pede de extraordinário: RESPEITO.
Por último, apresentamos apenas um pequeno excerto da queixa elaborada pela Associação Portuguesa de Defesa do Adepto, que achamos que revela expressamente o sentimento de quem esteve domingo a noite em Barcelos :
"Não se percebe o porquê de tal actuação por parte dos responsáveis do Sporting Clube de Portugal e tal tem de, forçosamente, ser apurado, pois que, se a violência não pode ser admitida no desporto, a arbitrariedade também não poderá ser aceite.
Se a própria Direcção do Sporting Clube de Portugal, alegadamente, cortou com os apoios financeiros e institucionais a estes GOA por não representarem os valores do clube, certamente deverão ter em conta que deles não é esperado que não um comportamento pautado por altos valores – ao contrário do despotismo e falta de conhecimento da Lei que apregoam usar a seu favor."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.