E a verdade é que nos últimos dias os "leões" anunciaram duas contratações sonantes, com João Pereira e Sinama-Pongolle a reforçarem o plantel de Carlos Carvalhal, que irá na segunda metade da época tentar minimizar os danos e não perder mais terreno para o Sporting de Braga, Benfica e FC Porto.

O antecessor do treinador Carlos Carvalhal, Paulo Bento, assumiu que esteve quatro meses a mais em funções, sob contestação generalizada, num ano em que conduziu a equipa aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões pela primeira vez para ser humilhada com um "score" global de 12-1 frente ao alemão Bayern Munique - o primeiro grande sintoma de que a habitual receita tinha passado do prazo.

Apesar do segundo posto na Liga pelo quarto ano consecutivo e do apuramento para a eliminatória da "Champions", embora batido pela Fiorentina (3-3), o Sporting já tinha perdido a final da Taça da Liga pela segunda vez consecutiva, diante do rival Benfica, no desempate por grandes penalidades, depois de os "encarnados" terem alcançado a igualdade graças a um penalti que só o árbitro Lucílio Baptista viu.

O mais recente presidente dos "leões", José Eduardo Bettencourt, eleito em Junho, jurara fidelidade eterna a Bento (60,3 por cento de vitórias num total de 194 jogos oficiais), mas o "casamento" acabou à 10ª jornada, no sétimo lugar do campeonato, a 12 pontos do líder, Sporting de Braga, seguindo-se demissões do director Pedro Barbosa e do administrador da SAD, Miguel Ribeiro Telles.

Em quatro jornadas de Carvalhal, apesar da exibição positiva na recepção ao Benfica (0-0), o Sporting segue com a mesma desvantagem de 12 pontos para "arsenalistas" e "águias", confirmando-se que o "custo zero" do espanhol Angulo e do equatoriano Caicedo produziu exactamente nada.

As exibições espelharam os poucos ou nenhuns milhões investidos - sobretudo, quando comparadas com as goleadas do plantel às ordens de Jorge Jesus - e até o relvado de Alvalade continuou a definhar, à medida que as bancadas foram ficando com cada vez mais cadeiras coloridas à vista e sem espectadores.

Na temporada anterior, o Sporting teve uma média de 26 517 espectadores por jogo do campeonato, menos cerca de 10 000 em cada partida do que o tetracampeão FC Porto e o vizinho Benfica.

Na última década e meia, salvo as conquistas pontuais da Liga (2000 e 2002), então com investimentos cuidados no plantel, os adeptos do clube de Alvalade comemoraram quatro Taças de Portugal (2008, 2007, 2002 e 1995), outras tantas Supertaças (2008, 2007, 2000 e 1995), e ainda
viveram o trauma da final da Taça UEFA perdida em casa para o CSKA Moscovo (2005).

Embora com um novo estádio construído e a pioneira Academia de Alcochete em funcionamento, as dívidas dos "leões" passaram de cerca de 30 milhões de euros em 1995 para os actuais mais de 300 milhões de euros.

A direcção conseguiu "luz verde" para a reestruturação financeira, num plano que prevê reduzir o passivo bancário dos perto de 250 milhões para cerca de 140 milhões até Junho de 2012. As "jóias" como Moutinho ou Veloso mantêm-se em Alvalade, mas sem resultados desportivos os jogadores também se tornam menos apetecíveis para a Europa do futebol.

O desafio do Sporting para 2010 é, definitivamente, continuar a merecer ser chamado de grande e não deixar que as grandes decisões do futebol português se tornem num duelo entre Benfica e FC Porto. Para já, em João Pereira e Sinama-Pongolle já estão investidos cerca de nove milhões de euros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.