O futebolista brasileiro Lucas Silva explicou o bom início de temporada no Paços de Ferreira com “muito trabalho, foco e confiança”, reconhecendo os benefícios da aposta continuada do técnico Jorge Simão, após um “ano difícil de adaptação”.

“As coisas não correram como esperava, passei momentos muito difíceis, cheguei a chorar em casa e pensei algumas vezes em ‘chutar o balde’. Graças a Deus não desisti, nunca perdi o foco ou deixei de trabalhar e, acima de tudo, nunca duvidei das minhas capacidades”, disse Lucas Silva, em declarações à agência Lusa.

Na sua primeira aventura europeia, em 2020/21, o avançado brasileiro contabilizou sete presenças e um total de minutos já ultrapassado na atual temporada, ainda no início, mas em nenhum momento mostrou ressentimentos relativamente a Pepa, com quem diz ter aprendido muito e a quem deseja “todo o sucesso”, consciente da dificuldade em entrar num ‘onze’ que ganhava muitas vezes.

“A época passada também foi boa, desfrutei dos bons resultados, mas só os jogadores com confiança conseguem mostrar o seu valor e todos precisam de sequência e oportunidades. Eu não tive tantas oportunidades assim, mas agora estou muito mais feliz, aproveitando muito cada minuto e jogo”, sublinhou.

Lucas Silva é hoje uma das figuras do ‘europeu’ Paços de Ferreira e vai ficar na história com o golo anotado ao Tottenham, na vitória mais mediática do emblema nortenho, na quinta-feira, ao qual junta outro tento, frente ao Famalicão, para o campeonato, e ainda uma assistência, na Taça da Liga.

“Sinto-me muito feliz por poder retribuir às pessoas que confiaram em mim, mas procuro sempre evoluir. Cobro-me muito, procurando ver sempre no que posso melhorar, como algumas movimentações e ‘infiltrações’ que temos trabalhado nos treinos e o ‘mister’ tem pedido”, referiu.

Em Paços, o antigo jogador do Flamengo diz sentir-se em casa, falou mesmo “numa família em que cada um ajuda o outro” e disse querer “desfrutar”, “sem perder o foco, sempre com trabalho, humildade, golos e assistências”.

“O plantel tem muita qualidade e há ainda alguns ‘cascudos’, como o [Marco] Baixinho, o Luiz [Carlos] ou o Antunes, que ajudam os mais novos. Mas o grupo é muito feliz e cobramo-nos mais”, confidenciou.

Lucas Silva não esqueceu os adeptos e pediu-lhes para continuarem a apoiar a equipa, esperando poder retribuir com vitórias, sob a promessa de “dar o melhor”, seguindo o princípio de que, “dando o melhor, coisas boas vão acontecer”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.