"O que digo hoje é o que já tinha dito na projecção do jogo com o Vitória de Setúbal (derrota por 2-1). É absolutamente obrigatório ganhar e, mesmo assim, esperar resultados menos positivos dos nossos adversários directos", disse Manuel Machado, em conferência de imprensa.

"Este jogo é um pouco o decalque do jogo com o Setúbal, em que frente a frente estão duas equipas com objectivos reais, mas diferentes, uma a lutar pela fuga à despromoção, outra pela ida à UEFA, o que o vai tornar num jogo competitivo, com muita entrega e ansiedade, mas talvez não tão bem jogado, pois o objectivo são os pontos", adiantou.

Manuel Machado espera "um desempenho igual ao que a equipa teve em Setúbal, só que desta vez com menos falhas defensivas e com mais eficácia na finalização, não esquecendo o factor sorte".

O treinador admitiu uma certa ansiedade no seio do grupo de trabalho: "É natural que assim seja. Podia vir para aqui dizer que estava tudo calmo, mas não estaria a ser verdadeiro. Havia e há objectivos estabelecidos e a verdade é que estamos em dificuldades para os alcançarmos".

"Desta forma, é claro que o clima torna-se mais ansioso e pesado", condescendeu.

Relativamente à direcção do clube, Machado disse que "essa é uma questão que tem que lhe ser colocada", mas salientou que o clube "tem uma forma elevada de lidar, tanto com as vitórias como quando as coisas correm menos bem".

Para o jogo de sexta-feira, às 19:00, no Estádio da Madeira, o Nacional, que é 10.º classificado com 29 pontos, recebe um Leixões, penúltimo com somente 18 pontos, numa partida que será arbitrada por Pedro Henriques, de Lisboa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.