O guarda-redes Luís Maximiano e o médio Wendel vão voltar a testemunhar na quarta-feira no âmbito do processo do ataque à Academia de futebol do Sporting, em Alcochete, devido a falhas na gravação da videoconferência.

Maximiano foi o primeiro a ser ouvido na tarde desta quarta-feira e recordou, mais uma vez, as agressões à Academia de Alcochete.

"O Battaglia foi agredido com um garrafão, contra o corpo. Depois, aproximaram-se, mas não me lembro se lhe bateram. Não me recordo", começou por dizer.

O guarda-redes leonino lembrou ainda que os jogadores ficaram em silêncio perante a situação. "Nós, jogadores, não falámos nada. Ficámos só pasmados e sem reação. Não dissemos nada. No final, à saída do balneário, afirmaram: 'Não ganhem no domingo e vão ver o que vos acontece'", contou.

Maximiano lembrou que como não acompanhou a equipa até à Madeira, dia antes do ataque, não tinha conhecido do que tinha acontecido, mas garantiu que os invasores tinham jogadores 'marcados'.

"Havia alvos específicos: Battaglia, Acuña, William Carvalho... Ninguém sequer olhou para mim", admitiu, acrescentando ainda que Misic e Montero também foram agredidos.

O guarda-redes leonino recordou ainda que Battaglia disse no balneário que não ia haver treino e que era Carnaval, depois de ter visto vários encapuzado no local.

O julgamento da invasão à academia ‘leonina’, em 15 de maio de 2018, decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa, com 44 arguidos.

Para sexta-feira, está prevista a audição de João Rolan, do ‘staff’ do clube, durante a manhã, e do ex-futebolista italiano do clube Cristiano Piccini, que atualmente alinha no Valência, na sessão da tarde. Lumor vai ser ouvido no dia 22, depois do militar da GNR Nuno Pereira.

O processo, que está a ser julgado no Tribunal de Monsanto, em Lisboa, tem 44 arguidos, acusados da coautoria de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Bruno de Carvalho, à data presidente do clube, ‘Mustafá’, líder da Juventude Leonina, e Bruno Jacinto, ex-oficial de ligação aos adeptos do Sporting, estão acusados, como autores morais, de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Os três arguidos respondem ainda por um crime de detenção de arma proibida agravado e ‘Mustafá’ também por um crime de tráfico de estupefacientes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.