O FC Porto venceu o Duisburg por 2-0, no segundo jogo dos "dragões" nesta pré-época. Hernâni e Brahimi fizeram os golos, no dia em que Maxi e Casillas estrearam-se com a camisola azul-e-branca (neste caso, castanha e azul). O próximo jogo é com o Borussia de Munchengladbach, no dia 24 de julho.

No jogo que marcou a estreia de Maxi e Casillas com a camisola do FC Porto, os "dragões" entraram em campo com sete reforços. Do plantel da temporada passada, apenas Maicon, Marcano, José Angel e Tello foram titulares. O jogo marcou também a estreia do equipamento alternativo, que muita tinta fez correr, por ser castanho com riscas azuis.

O FC Porto começou com Casillas; Maxi Pereira, Maicon, Marcano e José Angel; Danilo, Imbula, Varela e Tello; Bueno e André Silva. Um 4-4-2 que Lopetegui quer implementar esta época, diferente do habitual 4-3-3. Um esquema tático que se adapta melhor também as caraterísticas de Bueno, jogador que atua mais nas costas do ponta-de-lança.

Num primeiro tempo morno, pertenceram ao FC Porto as melhores oportunidades de golo, todas por Tello, mas o extremo espanhol perdeu por duas vezes no duelo com o guarda-redes Michael Ratajczak, o melhor da equipa da segunda divisão alemã. Numa altura em que há muitas pernas cansadas devido às cargas físicas, típicas de pré-época, os "dragões" perderam muitas bolas na última zona do terreno, perto da área contrária.

Mesmo assim, destaque para Imbula, que na meia hora que esteve em campo, mostrou bons pormenores, no transporte de bola e no passe. Maxi esteve mais tímido no lado direito mas mostrou a raça que lhe é caraterística. Casillas quase que não teve trabalho. Destaque também para Sérgio Oliveira que entrou a meia hora e mostrou bons pormenores, combinando bem com os colegas e a mostrar qualidade no passe. Aos 40 isolou Bueno com um grande passe mas o remate do espanhol foi defendido, por instinto, pelo guarda-redes contrário.

No regresso dos balneários, muitas mexidas nas duas equipas com Helton, Ricardo Pereira, Martins Indi, Lichnowski, Alex Sandro, André André, Evandro, Brahim e Hernâni a entrarem no FC Porto. Da equipa da primeira parte só restaram Sérgio Oliveira e Aboubakar, jogadores que entraram no decorrer do primeiro tempo.

Lopetegui desfazia assim o 4-4-2, passando a jogar com três médios, dois alas e um avançado.

Com jogadores mais rotinados com o sistema de jogo da equipa, o FC Porto não deu hipóteses ao Duisburg e criou inúmeras situações de golo. Depois de Ratajczak negar o golo a Brahimi aos 56, a André André aos 56 e a Aboubakar aos 58, os "dragões" vão chegar ao golo aos 60. O argelino foi isolado por Aboubakar e, na cara de Ratajczak, atirou para o fundo da baliza.

Com melhor entrosamento, mais qualidade técnica e tática, a formação de Lopetegui continuou a carregar no acelerador e fez o 2-0 por Hernâni aos 64, depois de um grande passe de Brahimi. O ex-Guimarães rematou de pé direito, fazendo a bola passar por baixo do corpo do guarda-redes do Duisburg.

Brahimi, que já tinha marcado na vitória por 5-1 ao Fortuna Sittard, foi o melhor em campo e mostrou já estar em excelente forma, fazendo lembrar o jogador que encantou na primeira metade da época passada. Dos seus pés saíram os melhores lances de ataque do FC Porto que só não fez mais golos porque não calhou. Destaque para um slalom brilhante de Brahimi, que passou por vários adversários até cair na área, depois de agarrado. A bola sobrou para Adrian Lopez mas o espanhol falhou o golo, ele que foi dos piores da equipa. O avançado tarda em justificar os 11 milhões de euros pagos por ele.

A equipa da segunda divisão alemã pouco incomodou Helton no segundo tempo, embora tenha tido uma oportunidade num livre que saiu por cima.

Depois desta vitória os "dragões" voltam a entrar em campo no dia 24 frente ao Borussia de Munchengladbach, da primeira divisão alemã.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.