José Peseiro lamentou não ter encontrado a equipa do Vitória de Guimarães com os níveis anímicos que desejava. No rescaldo da derrota com o FC Porto, o técnico dos minhotos sublinhou que os portistas foram melhores mas que o empate seria o melhor resultado.

Análise ao jogo: "Acho que merecíamos o empate. Há que reconhecer que o FC Porto foi melhor e superior em muitos momentos, mas nós também tivemos oportunidades, pelo menos o empate era merecido. Não se pode falhar tantas oportunidades, principalmente contra uma equipa como o FC Porto, é necessário fazer as coisas bem, ser eficaz. Tivemos duas oportunidades claras na primeira parte, não conseguimos concretizar. Na segunda parte o FC Porto também não teve muitas oportunidades claras, mas não conseguimos parar ou evitar o cabeceamento do Marcano. Não ponho em causa a posse, a quantidade de remates, mas acho que merecíamos o empate".

Balanço do seu trabalho: "Já disse que com os pontos que fizemos, se a média fosse a que tem sido, estaríamos a disputar o lugar que pode dar acesso à Liga Europa. [Quando cheguei] a situação não era boa, a equipa com dificuldades e baixos níveis de confiança. No início conseguimos o mínino do que queriamos, depois perdemos contra o Feirense da forma como foi e acabámos agora a jogar melhor. É difícil chegar como chegámos e a equipa estar com o estado de espírito que estava, num clube que exige. Essa exigência fez com que quando cheguei a equipa não estivesse com níveis de confiança, demorámos a adaptar-nos. A partir da [derrota frente ao Benfica na] Luz, acho que fizemos bons jogos. Na Feira [frente ao Feirense] fomos muito melhores, se não fosse esse jogo se calhar ainda estávamos a lutar por esse lugar. Conseguimos manter o foco até final, mostrámos vontade, dedicação, entrega, vontade de dar outyra imagem aos vitorianos, à massa associativa, pena não conseguirmos o empate hoje".

Jogadores diferentes para a sua ideia de jogo: "Ideias de jogo diferenciadas não quer dizer que não dê o mesmo tipo de resultados. Há diferentes formas de colocar a equipa a jogar, depende do trajeto e experiência do treinador. A verdade é que tenho uma ideia de jogo e os jogadores não tinham as características que eram necessárias para essa forma de jogar [de posse], mas isso não é desculpa. Treinar um clube como o Vitória era algo que ambicionava desde que comecei a minha carreira de treinador e temos de ter capacidade de nos adaptarmos. Só os treinadores que têm orçamentos milionários é que podem escolher jogadores, o que tinha a fazer fiz, que foi adaptar-me. A equipa acabou com exibições boas, a jogar bem, com grande qualidade, mas não conseguimos o que era o principal objetivo da equipa".

Futuro: "Na semana que vem vão ficar a saber".

O FC Porto venceu o Vitória de Guimarães por 1-0, em jogo da 34.ª e última jornada da Liga. No D. Afonso Henriques, Marcano fez o golo que deu os três pontos aos ´dragões'. A equipa de Sérgio Conceição termina a I Liga com 88 pontos, igualando o recorde do Benfica de Rui Vitória, alcançado em 2015/2016. Vaná e Fabiano estrearam-se e sagraram-se campeões pelo FC Porto.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.