As recentes renovações de Adrien Silva e William Carvalho marcam mais um passo no rumo desportivo traçado por Bruno de Carvalho para o Sporting. Um trajeto cuja ambição aponta à conquista de títulos… e a uma rentabilização financeira dos principais ativos. Os dois médios prolongaram os respetivos vínculos até 2020, ficando ambos protegidos por cláusulas de rescisão de 45 milhões de euros. Aliás, mais um sintoma de continuidade do presidente leonino, que blindou todo o plantel com elevadas cláusulas de rescisão.

Com efeito, o atual plantel comandado por Jorge Jesus conta com 27 jogadores e vale uns astronómicos 1230 milhões de euros, a fazer fé nas verbas inscritas nos contratos dos jogadores para os proteger do assédio de outros clubes.

Entre os 27 elementos, apenas o central uruguaio Coates não entra nestas condições, uma vez que chegou por empréstimo até ao final desta época. De resto, outros reforços como Schelotto, Zeegelaar, Bruno César ou Barcos já foram incluídos nesta lógica, sendo que o médio ex-Estoril e o avançado de 31 anos proveniente do futebol chinês têm mesmo das cláusulas mais elevadas do plantel: 60 milhões de euros. O valor de Barcos e de Bruno César está assim equiparado ao de jovens ‘pérolas’, como Gelson Martins, Matheus Pereira e Carlos Mané, e aos cotados João Mário e Bryan Ruiz.

Em sentido inverso, o médio André Martins – um jogador que não tem merecido muitas oportunidades de Jorge Jesus - tem a cláusula de rescisão mais baixa da equipa: 25 milhões de euros. Curiosamente, o jogador que surge logo a seguir entre os “mais baratos” é precisamente uma das maiores estrelas leoninas e o elemento atualmente mais cobiçado: Islam Slimani, ‘blindado’ com uma cláusula de rescisão de 30 milhões de euros.

Mais do que refletir o valor real no mercado dos jogadores, as cláusulas de rescisão foram adotadas pelos clubes – nacionais e estrangeiros - para se protegerem do interesse de terceiros e para acautelar uma eventual valorização súbita desses jogadores, que com valores eventualmente mais ‘acessíveis’ poderiam ser facilmente capturados pelos maiores tubarões do futebol europeu.

Apesar do valor estratosférico do plantel, a cláusula de rescisão mais alta do futebol português nem pertence ao Sporting; na verdade, está entre o plantel do rival Benfica, que protegeu a sua revelação Renato Sanches com uma cláusula de 80 milhões de euros. O valor parece não afugentar os interessados, pois Manchester United e Bayern Munique já estão atentos ao futuro do médio português de 18 anos. O valor fica apenas abaixo que outrora constou no contrato de Hulk com o FC Porto, que chegou a valer 100 milhões de euros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.