Segundo o acórdão datado de terça-feira, a que a Lusa teve hoje acesso, o TRL julgou “improcedente o recurso interposto pelo MP” à absolvição das 14 contraordenações punidas com um jogo à porta fechada e uma multa de 56.250 euros, pelo relacionamento do clube com grupos organizados de adeptos não legalizados.

Em 13 de novembro de 2019, o Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa tinha absolvido o Benfica daquelas penas, impostas pelo IPDJ em 27 de agosto de 2018, por infrações ocorridas em vários jogos.

Em causa estava o apoio a grupos de adeptos não legalizados em cinco jogos em casa na I Liga, entre 13 de maio e 23 de setembro de 2017, dois na Liga dos Campeões, frente a Besiktas e CSKA Moscovo, em 13 de setembro de 2016 e 12 de setembro de 2017, respetivamente, e um na Taça da Liga.

O Benfica tinha sido punido por apoiar ilegalmente Diabos Vermelhos e No Name Boys, que não estão registados no IPDJ, por exemplo, e entre outros casos, na colocação de tarjas e bandeiras em zonas restritas do Estádio da Luz, em Lisboa.

Na ocasião, o tribunal de primeira instância concluiu que a permissão, por parte do Benfica, para a colocação “de faixas e bandeiras para setores determinados do estádio não constitui uma forma de apoio aos mesmos (...), mas sim constituem medidas de segurança a que qualquer promotor de espetáculo desportivo está vinculado, a fim de assegurar que o espetáculo desportivo decorra com todas as condições de segurança para os adeptos e espetadores em geral”.

TAD revoga decisão da FPF de interditar Estádio da Luz por cinco jogos
TAD revoga decisão da FPF de interditar Estádio da Luz por cinco jogos
Ver artigo

“Assim, não se pode concluir que, ao permitir a entrada de faixas e tarjas para os setores das claques acima indicadas, a recorrente [Benfica] promove uma discriminação positiva dos mesmos em relação aos demais adeptos, permitindo-lhes uma liberdade de atuação e de expressão que não é, de todo, deferida aos restantes adeptos e espetadores, uma vez que tais facilidades de acesso são obrigatórias por lei”, observou a juíza Susana Seca, do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa.

O acórdão do TRL assinala que “para o MP, em termos sucintos, o problema essencial” decorre da localização das claques no recinto ‘encarnado’ e a presença de faixas, bandeiras, megafones e tambores.

“Mas, como se vê, fica assim, desde logo, agastado que tal ostentação seja um privilégio exclusivo dos tais grupos organizados de adeptos”, lê-se no acórdão, reconhecendo que “não é, pois, caso em que falte factualidade que o tribunal devesse e pudesse apurar e que não apurou”. “O que acontece é que julgou tais factos não provados e este é um domínio em que a presente Relação já não pode acudir”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.