O médio internacional português do FC Porto Rúben Micael elogiou hoje, em Câmara de Lobos, na Madeira, os colegas de equipa Hulk e Falcao, considerando-os com qualidade «acima da média».

O jogador madeirense, que esteve na Escola Básica de Câmara de Lobos, onde foi falar de «práticas desportivas e promoção de estilos de vida saudáveis», reconheceu que tem forte concorrência no plantel, mas acredita que, trabalhando e dando o máximo, conseguirá impor-se na equipa orientada por André Villas-Boas.

«É sempre muito difícil mantermo-nos no topo. Queremos sempre coisas boas e isso não aparece do nada. Sei que tenho de trabalhar, treinar e dar o meu máximo, porque a concorrência é forte no FC Porto», explicou o médio.

Reconhecendo a importância de Hulk e Falcao na equipa que se sagrou campeã nacional, venceu a Liga Europa e ganhou ainda a Taça de Portugal e a Supertaça, Rúben Micael não poupou elogios aos colegas.

«São dois jogadores com qualidades acima da média. O Hulk, por aquilo que li, renovou e é para manter. O Falcao só espero que fique e que marque muitos golos, porque é um jogador fabuloso», observou.

Relativamente à exclusão de Hulk da selecção brasileira que vai participar na Copa América, o jogador mostrou-se discordante.

«Acho que merecia, pela época que fez, a contribuição que deu e o número de golos que marcou. A selecção brasileira não tem assim tantos jogadores com o potencial do Hulk, mas ele continua a trabalhar. Certamente que vai continuar assim e fazer parte das próximas convocatórias», afirmou.

Relativamente à possibilidade de voltar a ter o guarda-redes Rafael Bracali como companheiro de equipa, agora no FC Porto, depois de terem actuado junto no Nacional, afirmou que o brasileiro está ao mesmo nível dos que lá estão.

«Gostava de ver o Bracali no FC Porto porque já há muito tempo que merece estar num grande clube em Portugal. Está ao mesmo nível do Helton, do Beto e do Pavel, que são os melhores da Liga. Ainda não falei com ele, até porque isso ainda não está ainda confirmado», disse.

Esperando ser um exemplo para os jovens alunos da escola do concelho onde nasceu, o médio do FC Porto não se coibiu ainda de falar das dificuldades sentidas na infância.

«Passei por muitas dificuldades, mas sempre lutei. Consegui ultrapassar muitas barreiras que pensava que nunca conseguiria, mas fi-lo também com muita dedicação. Hoje sou uma referência para eles e isso orgulha-me», finalizou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.