O treinador do Boavista, Erwin Sanchez, considerou hoje que a sua equipa tem "mais coisas a ganhar do que a perder" na receção de domingo ao FC Porto, na 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Os dois rivais vivem momentos difíceis: o Boavista não vence para o campeonato há 11 jogos e encontra-se no 17.º lugar, com apenas 10 pontos, ao passo que os ‘dragões’ vêm de um derrota Sporting (2-0), em Alvalade, e de um empate caseiro com o Rio Ave (1-1), caíram para o 3.º posto e acabaram de despedir o seu treinador, Julen Lopetegui.

Na antevisão do ‘derby’ portuense, Sanchez começou por realçar que "o FC Porto foi e será uma grande equipa" e que se trata de um encontro rodeado sempre de um clima especial, pela rivalidade existente.

"Todas as equipas têm os seus problemas. Quem nos dera neste momento ter os problemas do FC Porto, que está quase na frente do campeonato", prosseguiu.

O técnico ‘axadrezado’ disse que "o FC Porto tentará continuar no caminho das vitórias e não deixará de ser uma grande equipa", que todos gostam de enfrentar.

"A nossa ideia, sempre, é fazer o melhor. Neste jogo, vamos ter uma grande equipa pela frente", referiu.

Sanchez afirmou também que o momento que o Boavista vive "pode ser mais positivo do que negativo" para defrontar os portistas, pelo que, em sua opinião, a equipa fez no último jogo (derrota, por 1-0, com o União da Madeira) e porque há "uma motivação extra" quando se medem forças com um rival, "seja qual for a situação deles"

"É um incentivo muito grande defrontar o FC Porto neste momento. São dois jogos seguidos contra eles [na próxima quarta-feira, as duas equipa reencontram-se para a Taça de Portugal]. O FC Porto tem neste momento outra dimensão que nós não temos e estamos conscientes disso, mas vamos tentar disputar o jogo pelo jogo", acrescentou.

Os dois jogos seguidos com o FC Porto "são importantes" para o Boavista, tendo Erwin Sanchez recordado que o clube "tem tradição na Taça de Portugal, que já conquistou cinco vezes.

"Mas estamos focados a cem por cento no que vai ser o jogo deste domingo. Não podemos estar a pensar no jogo de quarta-feira sem disputar primeiro este jogo", salientou.

O treinador boavisteiro considera positivo que os resultados negativos mexam com os jogadores, referiu que "é normal que a equipa sinta algum de nervosismo".

"Seria preocupante se não tivéssemos ocasiões de golo. Temos tido situações claras, que normalmente dariam golo, mas estamos naquela fase em que a bola bate na trave e vai para fora. Estamos a tentar que a bola bata na trave e vá para dentro. No futebol e na vida, é preciso sorte", afirmou.

"Dizem que a sorte é ‘fêmea’ e conquista-se e nós estamos a trabalhar como homens para conquistar essa sorte", reforçou

Ruben Ribeiro, primeiro reforço de inverno do Boavista, "começou a treinar hoje" e por isso deverá ser opção para o jogo com os "dragões".

O Boavista, 17.º classificado, com 10 pontos, recebe domingo (18:15) o FC Porto, 3.º, com 37 pontos, num jogo da 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, marcado para o Estádio do Bessa, no Porto, com arbitragem de Fábio Veríssimo, da Associação de Futebol de Leiria.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.