O Sporting sagrou-se hoje campeão de uma edição 2020/21 da I Liga portuguesa de futebol que liderou desde a sexta jornada, bateu o recorde de invencibilidade e deu o passo decisivo para o título em Braga.

Com duas jornadas por disputar, os ‘verde e brancos’ chegaram ao título ainda invictos, com 25 vitórias e sete empates, em 32 encontros, um novo recorde do campeonato de jogos consecutivos sem perder na mesma época.

Em termos matemáticos, o ‘onze’ de Rúben Amorim só agora pode festejar, depois do 1-0 caseiro ao Boavista, selado por Paulinho, mas foi à 29.ª ronda que ‘encomendou as faixas’, quando, muito tempo reduzido a 10, logrou vencer em Braga (1-0) e viu, no dia seguinte, o FC Porto empatar em Moreira de Cónegos (1-1).

De um cenário ‘aflitivo’ de ficar com escassos dois pontos de avanço, ou mesmo um, perdendo, para um tranquilo avanço de seis foi um ápice, e tudo começou num golo de Matheus Nunes, aos 81 minutos, talvez o mais importante dos ‘leões’ na prova.

Toda a análise no Especial Sporting Campeão 2020/2021

A temporada do Sporting começou de forma algo atribulada, com o jogo da primeira jornada do campeonato, frente ao Gil Vicente, a ser adiado devido a vários casos positivos ao novo coronavírus nas duas equipas.

A estreia no campeonato ocorreu na segunda jornada, com uma vitória por 2-0 na visita ao Paços de Ferreira, que antecedeu a pior derrota da temporada, frente aos austríacos do LASK Linz, no ‘play-off’ de acesso à Liga Europa, que ditou a eliminação precoce do Sporting das competições europeias.

Em 01 de outubro de 2020, os austríacos golearam os ‘leões’ por 4-1 em Lisboa e começaram a surgir dúvidas sobre o que seria a época da equipa orientada por Rúben Amorim, que reagiu com uma vitória em Portimão (2-0) e um empate na receção ao FC Porto (2-2), arrebatado sobre o final, na quarta jornada.

Os ‘leões’ embalaram depois para uma série de cinco vitórias seguidas no campeonato, durante a qual assumiram a liderança da I Liga, à sexta jornada, beneficiando da derrota do Benfica na deslocação ao Boavista (3-0).

O Sporting voltou a perder pontos no campeonato ao empatar em Famalicão (2-2), na nona jornada, encarrilando depois numa série de quatro triunfos, entre os quais na visita ao Nacional (2-0), na 13.ª jornada.

Depois de o jogo ser adiado para o dia seguinte devido ao vento e à chuva, face à passagem da depressão Filomena no arquipélago, os ‘leões’ impuseram-se na lama da Choupana, por 2-0, com golos de Nuno Santos e do suplente Jovane Cabral.

Surge então o terceiro empate na I Liga, na receção ao Rio Ave (1-1), na jornada seguinte, poucos dias depois de os ‘leões’ terem sofrido a segunda derrota da época, ao serem eliminados pelo Marítimo nos oitavos de final da Taça de Portugal (2-0).

Era o segundo objetivo falhado, depois da ‘queda’ na Liga Europa, mas a formação comandada por Rúben Amorim deu a ‘volta’, ao erguer a Taça da Liga, em Leiria, com um triunfo na final frente ao Sporting de Braga, por 1-0, selado com um golo de Pedro Porro, depois da vitória frente ao FC Porto, por 2-1, nas meias-finais, com a reviravolta do marcador nos minutos finais promovida por Jovane Cabral.

Depois da conquista, os ‘verde e brancos’ embalaram para a melhor série da época no campeonato, com seis vitórias consecutivas entre as jornadas 15 e 20, com destaque para o triunfo na receção ao Benfica (1-0), com um golo de Matheus Nunes já em período de descontos.

O Sporting foi assim cimentando a liderança da prova e chegou ao Estádio do Dragão, na 21.º jornada, com 10 pontos de avanço para o campeão FC Porto, então segundo, distância que manteve com um empate 0-0.

Depois deste ‘nulo’, com Benfica e Sporting de Braga também longe na tabela, os ‘leões’ venceram as três jornadas seguintes e tudo parecia encaminhado para um final de época tranquilo na frente, mas o Sporting somou, então, três empates em quatro jornadas, com Moreirense (1-1), Famalicão (1-1) e Belenenses SAD (2-2), naquele que foi a sua pior fase no campeonato.

O jogo com o Belenenses SAD, da 28.ª jornada, foi mesmo o único no campeonato em que o Sporting esteve a perder por dois golos, mas os ‘leões’ chegaram ao empate com dois tentos perto do fim, um ‘clássico’ ao longo de toda a época.

Na entrada para a 29.ª jornada, o Sporting tinha perdido seis dos 10 pontos que tinha de vantagem e o FC Porto estava apenas a quatro de distância.

Esta ronda acabou por ter uma importância decisiva na caminhada rumo ao título dos ‘leões’, que, em Braga, ficaram reduzidos a 10 elementos logo aos 18 minutos, com a uma expulsão do defesa Gonçalo Inácio.

A equipa de Rúben Amorim segurou o seu adversário e conseguiu mesmo chegar à vitória, com o suplente Matheus Nunes, aos 81 minutos, a ser novamente decisivo. No dia seguinte, o FC Porto empatou na visita ao Moreirense (1-1) e o Sporting aumentou a vantagem para seis pontos.

Na 31.ª jornada, o Sporting venceu em Vila do Conde (2-0) e viu o FC Porto empatar na visita ao Benfica (1-1), terminando a jornada com oito pontos de avanço para os ‘azuis e brancos’ e a apenas dois de garantir o título que fugia desde a época 2001/02.

Na segunda-feira, o FC Porto goleou em casa o Farense por 5-1 e impediu os festejos dos ‘leões’, que hoje não desperdiçaram o primeiro ‘match point’, ao vencerem o Boavista por 1-0, com um tento de Paulinho, aos 36 minutos.

Agora falta jogar com o Benfica, fora, e com o Marítimo, em casa, nas duas últimas jornadas, com o título de campeão já no bolso e o objetivo de acabar o campeonato sem qualquer derrota, o que os ‘encarnados’ e os ‘azuis e brancos’ conseguiram duas vezes cada, mas em campeonatos com apenas 30 jornadas.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.