Frederico Varandas comentou as polémicas declarações de Carlos Xavier sobre Taremi, proferidas na Sporting TV, e que podem resultar num castigo de cinco jogos a porta fechada para o clube.

O líder leonino lembrou que o antigo defesa dos verde e brancos já pediu desculpas ao jogador, mas recordou que também já houve comentários que considera xenófobos vindos do norte do país, sem que tenha havido processos disciplinares.

"O Carlos Xavier teve um comentário infeliz e o próprio teve o cuidado de se retratar publicamente. Apelidou o jogador [Taremi] de muçulmano e a verdade é que pediu desculpas publicamente, ao jogador, ao Sporting e à Sporting TV, porque o clube não se revê nesse tipo de comentários, mas de facto parece que há pessoas que podem fazer e dizer o que querem neste país", começou por dizer aos jornalistas no Aeroporto de Beja, antes da partida da comitiva leonina para a Áustria.

"Eu próprio durante anos ouvi pessoas com discursos públicos a referirem-se às pessoas de Lisboa como mouros, na verdade um discurso exibicionista, discriminatório, xenófobo, onde alimenta a divisão do país. Parece que há uns que são os puros e os outros os mouros. Não sei se o Conselho de Disciplina tem noção, acredito que tenha, mas mouro é sinônimo de sarraceno, de quem pratica o islão. Enquanto português ouvir essas declarações não acho piada, acredito que os muçulmanos também não achem piada alguma", completou.

Na terça-feira, o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol anunciou a abertura de um processo disciplinar ao Sporting e que, no máximo, poderá levar a um castigo de entre dois a cinco jogos à porta fechada, de acordo com o artigo 113.º dos regulamentos disciplinares, além de multa.

O CD da FPF explica que instaurou um "processo disciplinar à Sporting Clube de Portugal - Futebol SAD, por deliberação da Secção Profissional, de 12 de setembro de 2023, tendo por objeto declarações divulgadas em canal televisivo explorado pela sociedade desportiva arguida, na sequência de notícias divulgadas na Comunicação Social. O processo foi enviado, dia 13 de setembro de 2023, à Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, ficando excluída a publicidade até ao fim da instrução", lê-se no comunicado.

Na altura, Carlos Xavier criticou a postura do avançado iraniano no FC Porto 1-1 Arouca e chamou-o de muçulmano que já sabe mergulhar.

"Com a ferramenta que existe, é impressionante como as pessoas continuam a cometer erros e a não assumi-los. É gravíssimo o que tem acontecido. A única solução para isto é haver outra pandemia, sem ninguém nos estádios. Aí os árbitros sentem-se à vontade. Há certos árbitros que quando vão apitar lá em cima, assim que passam a ponte, param o carro, põem a fralda e vão para o estádio. É tal a pressão e desconfiança sobre o que vão fazer para o estádio do FC Porto... é diabólico", começou por dizer o antigo defesa dos leões na Sporting TV.

"O VAR está lá para ajudar. O árbitro aqui só tinha de ter coragem, para não dizer outra coisa, e dar dois amarelos ao muçulmano, que quando veio para Portugal não sabia nadar e agora já sabe mergulhar. É impressionante. Os árbitros têm medo em certos estádios, pois sabem que podem ser perseguidos. A Liga tem de meter mão nisto e dar castigos a sério. Não é com meia dúzia de tostões, é castigar a sério como se faz lá fora. Se fosse em Inglaterra, alguns treinadores ou dirigentes nem iam mais para o relvado. Agora aqui... ainda por cima esteve cá o Papa há pouco tempo, com amnistias. Dá direito a fazer tudo", completou.

As palavras do antigo jogador do Sporting mereceu duras críticas do FC Porto. Na página da comunicação dos dragões no Twitter, o clube azul e branco pediu a intervenção das autoridades competentes perante o "discurso xenófobo, racista e de ódio"

"O que pensam sobre este discurso xenófobo, racista e de ódio na televisão do Sporting entidades como SOS Racismo, Amnistia, ERC, Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância, Justiça de Portugal e Governo? Ou a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial? Isto é demasiado grave para passar incólume", escreveu o FC Porto.

Também Pinto da Costa comentou o caso, na sua intervenção no 'Thinking Football' que decorreu no Porto.

"Um comentador de um canal referiu-se ao Taremi como muçulmano que não sabia nadar e agora sabe mergulhar. Como é que se permite isto? Não sei se o SOS Racismo e as entidades vão reagir, protestar, se a ERC vai estar em cima disto. Não sei. Se calhar se o Taremi tivesse dado um beijo a uma mulher, era um escândalo para as televisões. Mas o resto vale tudo", disse o presidente do FC Porto.

Mais tarde, Carlos Xavier veio a terreno assumir que errou e pedir desculpas a Mehdi Taremi.

"Quero pedir desculpa pelas palavras que proferi na quarta-feira passada. Longe de mim querer atingir quem quer que seja; longe de mim usar palavras xenófobas ou racistas, quando tenho amigos de todas as cores e de todas as religiões. Peço, por isso, desculpa ao Taremi, a quem chamei de muçulmano. Só me quis referir à forma como joga, porque fora de campo é um jogador que estimo muito. Tenho uma grande consideração por ele e pelo trabalho que faz pelo seu país", disse Carlos Carlos Xavier.

Além do FC Porto e do próprio Pinto da Costa, houve outras reações, como aa Federação Iraniana de Futebol , da Amnistia Internacional e também pelo próprio Taremi.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.