Na longa entrevista à RTP3, Frederico Varandas foi questionado sobre os reforços neste mercado de inverno, a possível saída de Acuña e ainda a possibilidade do Sporting ser campeão esta época.

Cinco reforços inverno: "Vamos recuar. O discurso populista tem um preço muito alto e é uma questão de tempo. O Sporting vem de duas épocas em que acaba em terceiro lugar, e da última época para esta perde cinco titulares, quatro deles internacionais, três portugueses e um italiano. A Comissão de Gestão acredito que fez o que pôde para reforçar numa altura conturbadíssima no ponto de vista desportivo estas lacunas. O plantel foi feito, foi o que foi nas condições que eram, a equipa técnica era a que foi e arrancou a  época. A 9 de setembro esta direção toma posse e em meados de novembro muda-se de treinador. No mercado de inverno saem sete jogadores, tudo isto é anormal, as pessoas têm de perceber que tudo isto é anormal. Eu sempre disse que 80% do sucesso desportivo é delineado entre o mês de junho e 31 de agosto pois é aí que se constrói o plantel e a equipa técnica trabalha com o seu grupo, formam-se rotinas, princípios de jogo."

Ano zero e troca de Peseiro por Keizer: "Não falámos em ano zero porque acreditamos na nossa competência e a verdade é que o ano zero já nos deu o primeiro título da época. O que é que eu fiz? Em novembro troquei de treinador - acredito nele e continuo a afirmar todas as razões que apresentei. 10 pontos e Peseiro despedido a dois? A estatística tem a importância que tem. São factos. É preciso perceber o que está por trás. Dezembro, sete jogos; janeiro, oito jogos e fevereiro outra vez oito jogos. O que significa? Dois jogos por semana. Três dias de intervalo com dois dias só de recuperação. Keizer não fez pré-época. Pela dispensa de sete jogadores, se calhar, percebemos que temos um plantel de qualidade reduzida. Isto não é como na Playstation onde estão todos com a barrinha verde. A equipa técnica chega, maravilha toda a gente, mas a mim nunca me fez tirar os pés do chão, porque eu sabia das nossas limitações, sabia que isto ia acontecer. Isto tem um preço. Sucesso na Taça da Liga, por exemplo: foi um preço alto, mas um preço que voltava a pagar, porque é mais um título, o Sporting vive de títulos e  Sporting e os seus sócios vivem de títulos. Este já é nosso! E nesta Taça da Liga estiveram as quatro melhores equipas e todos deram tudo para ganhar."

Confiança em Keizer: "A confiança é igual. O Sporting faz praticamente nove jogos com a mesma equipa, e depois chegamos a janeiro e temos esta competição que vencemos. Saímos de lá com três baixas e passados três dias vamos ao Bonfim. Saíram sete jogadores, entraram cinco, e este mercado de janeiro para mim não é para resolver problemas a curto prazo, estou a resolver problemas a médio/longo prazo. Eu acredito nestes jogadores e não estou a contratar por contratar, mas obviamente que preciso de um grupo mais forte e consistente. Nós conhecemos as debilidades deste grupo."

Saída de Acuña: "Se sai? Se chegarem aos valores que queremos... 20 milhões? Sim, pode ser 20 milhões a pronto mais objetivos. Se precisamos desse dinheiro de Acuña? Se o Sporting tivesse necessidade desse dinheiro já tinha vendido. Recusámos uma proposta"

Sporting candidato ao título no próximo ano: "O Sporting tem de lutar por títulos. Só um louco pode dizer que vai ganhar o campeonato para o ano ou daqui a dois anos, três anos, seja no futebol ou nas modalidades. E é com Keizer que vai acontecer."

Jorge Jesus no mercado: "Mesmo com Jesus no mercado. Keizer tem contrato e se Deus quiser vai cumpri-lo. Há fases da vida que passam, guardam-se as recordações, e seguimos em frente. Jesus faz parte do passado."

Claques: "Hoje reuni com o último grupo organizado de apoio, reuni individualmente com cada um deles, e expliquei que o protocolo que estava em vigor para o ano vai deixar de existir. Entre outras coisas estamos a falar de quase 900 bilhetes oferecidos por jogo. O Sporting não está em condições de oferecer nada pois os sócios pagam, os sócios que vêm de longe pagam, eu enquanto estive numa claque há 25 anos pagava. Para o ano toda a gente vai pagar o seu bilhete. A receção foi feita com responsabilidade, perceberam o momento de dificuldade do Sporting, e assim será. Por que é que vou cortar? É injusto, pois por muito importante que eles sejam e sei que têm, é por isso que vão ter bilhetes a preço especial tal como os núcleos, mas não devem gozar de outro estatuto."

Vai ser campeão?"Em tudo na minha vida sempre cheguei às coisas porque acreditava muito e eu acredito muito nisso. Eu acredito que vou fazer o Sporting campeão, eu e a minha equipa pois graças a Deus tenho uma equipa muito forte a meu lado e daí para baixo, consegui fazer uma pirâmide muito forte com recursos humanos apoiados na ciência, apoiados no bom senso e nos valores do Sporting. Eu se dissesse que não acredito que vou ser campeão estava a mentir, mas para colher é preciso semear, e ter estabilidade para colher os frutos. Ser presidente até quando? O meu objetivo é deixar ao próximo presidente Sporting um clube melhor, muito melhor do que quando cheguei. E ser campeão."

Auditoria: "A auditoria termina a meio de fevereiro. Na parte financeira estamos a renegociar os termos do acordo da restruturação financeira com os bancos e mais não posso dizer. Era fácil para a minha direção dizer que chegamos aqui com a situação assim e assado, mas o nosso sentido de estado não nos permite falar nisso."

Mensagem para os que desconfiam: "Que se lembrem o que o clube passou e recordem que há uma taça que é deles. Esta direção não está contente pois queremos ganhar. Eu sei o que quero neste grupo de futebol e quero um grupo mais consistente e mais forte mentalmente e, obviamente com mais qualidade."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.