O selecionador de futebol de Cabo Verde considera que Cabo Verde aliou a exibição ao resultado na vitória por 7-1 frente a São Tomé e Príncipe e que a questão dos golos pode ser muito importante para o apuramento.

Rui Águas explicou que, com este sistema em que apenas o vencedor se apura automaticamente para a fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) 2017, há menos espaço para o apuramento e todos os pormenores podem ser determinantes para esta qualificação.

Por isto, atesta que Cabo Verde não correu riscos, não obstante ter consentido o tento de honra dos santomenses quando o resultado era de 5-0, pois considera tratar-se de um caso fortuito que acontece a qualquer jogador no campo.

Em relação aos novos jogadores convocados, mas que não foram utlizados neste embate, o timoneiro dos "Tubarões Azuis", nome por que é conhecida a seleção cabo-verdiana de futebol, disse que apostou nos jogadores mais experientes, explicando que trazer estes jovens para o estágio foi uma oportunidade para iniciarem uma boa carreira no futuro.

Na sua análise ao jogo, Rui Águas asseverou que Cabo Verde mostrou ser uma equipa mais experiente, dotada já com alguma dimensão no futebol cabo-verdiano, ao passo que "São Tomé e Príncipe mostra alguns valores e alguma ingenuidade, normal nesta competição", mas que terá de jogar mais, porque "não está à altura" de Cabo Verde.

O selecionador dos Tubarões Azuis disse que Cabo Verde "respeita São Tomé e Príncipe, como tem respeitado todos", mas que, a partir de hoje, começará a preparar-se para o próximo jogo, agendado para setembro, com a seleção da Líbia.

"Em termos de historial, Marrocos será teoricamente a equipa mais forte, mas temos com a Líbia o próximo jogo e é nele que nós concentraremos a 100 por cento".

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.