Apesar da dulpa formada com Cristiano Ronaldo ter vindo a dar os seus frutos, André Silva está longe de achar que o seu lugar na frente de ataque da Seleção Nacional está garantido.

"Se o selecionador escolher a dupla fico contente se houver golos. Se houver outras opções também haverá golos e espero que tudo corra bem. Pelo que tenho trabalhado, sinto que não há espaços ocupados. Se quero ser uma referência tenho de trabalhar para isso. Mostrar que sou uma opção válida. Espero ser, mas não depende de mim", disse o jogador em conferência de imprensa.

Sobre a experiência na Taça das Confederações, prova na qual Portugal conseguiu o terceiro lugar, o internacional português considera que é possível tirar lições de todos os resultados, sejam eles positivos ou negativos.

"Todos os jogos só me trazem experiência e outras oportunidades. Da Taça das Confederações trago novos adversário e novas formas de fugir às coisas más. Ganhámos mais confiança", admitiu.

O avançado do Milan mostrou-se ainda bastante feliz pela chamada de Bruno Fernandes à seleção, para o lugar de Pizzi.

"Ainda não chegámos a conversar muito, estou feliz por ele, é um jogador jovem como eu, que está a conseguir grandes feitos na sua carreia. É bom ver que os jovens estão a entrar nesta seleção e que o Bruno tenha sido aposta do 'mister'", disse o avançado.

.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.