Atli Gregersen, capitão das Ilhas Feroé, ´brilhou` na conferência de imprensa de antevisão do jogo com Portugal. O defesa de 35 anos, um dos atletas que alinha no campeonato local, destacou o facto de, "com a saída de vários jogadores do país para alinharem no estrangeiro, a equipa nacional tem vindo a melhorar".

O experiente jogador, de 34 anos, não reagiu bem a uma questão na qual foram abordadas recentes declarações do selecionador alemão, que terá dito que "os jogos com seleções de menor expressão são uma perda de tempo para as seleções mais cotadas".

"Isso não é ter respeito. Que perguntem à Grécia como se sentiram depois de perderem connosco. Acho que o Joachim Low [selecionador alemão] deve ter mais calma e colocar ordem na casa dele e continuar a ganhar, porque não conquistaram o título mundial 10 vezes, apenas 5?", disse.

O defesa lembrou ainda que os jogadores das seleções mais pequenas chegam a trabalhar mais que os mais cotados.

"Trabalho no mínimo doze horas por dia e ainda ajudo a minha mulher quando chego a casa. Não temos tempo para descansar", atirou.

Já num tom mais descontraído, e quando questionado sobre quem é a 'estrela' das Ilhas Faroé, Alti Gregerson elegeu Joan Edmundsson, avançado de 26 anos que alinha no Odense, da Dinamarca, e que, segundo o capitão, irá chamar a atenção das equipas portuguesas.

"O nosso ponta de lança é um bom trabalho, talvez o FC Porto no final do nosso jogo fique interessado nele", rematou, sorridente.

Portugal, segundo classificado do grupo com 15 pontos, defronta esta quinta-feira as Ilhas Faroé, quarto com cinco, numa partida agendada para as 19:45, no Estádio do Bessa, no Porto, que terá arbitragem de Srdjan Jovanovic, da Sérvia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.