Desde que assumiu o comando técnico da Seleção A de Portugal que Fernando Santos tem vindo a promover a tão falada e desejada renovação, sem colocar em causa os resultados e sem abdicar de jogadores mais velhos e que ainda são e estão a ser muito útis. Nas laterais da defesa e do meio-campo para a frente há várias alternativas, com muitos jogadores sub-23. Quando se olha para a zona central da defesa, aí começam as primeiras preocupações.

Posto isto, fizemos um pequeno exercício e perspetivamos aquele que deverá ser a Seleção principal de Portugal daqui a seis anos, no Mundial2022 no Qatar. Uma seleção que já não deverá contar com Cristiano Ronaldo, atualmente com 31 anos. Há, laterais, médios e avançados de muita qualidade, faltam defesas centrais.

Baliza

Na baliza deverá estar Anthony Lopes. Atualmente com 26 anos, o guarda-redes do Lyon terá 32 anos em 2022. Depois há José Sá, atualmente com 23 anos. O guardião assume-se como número dois da baliza do FC Porto e poderá ser dono do lugar quando Casillas deixar o Dragão.

Laterais

João Cancelo, 22 anos, assumiu a titularidade direita na Seleção A e tem tudo para estar num clube de elite daqui a pouco tempo. Há que contar com Ricardo Pereira (23 anos) e Nélson Semedo (22), além de Diogo Dalot, jovem de 17 anos em quem se deposita muitas esperanças. Na esquerda, Raphael Guerreiro (22 anos) poderá ter a concorrência de Rafa Soares (21 anos), jogador do FC Porto emprestado ao Rio Ave.

Centrais

Aqui reside o principal problema. Portugal, que sempre teve excelentes defesa centrais, parece ter parado a ´produção` de jogadores para essa posição. Nesta altura, temso Rúben Semedo de 21 anos, titular no Sporting e nos sub-21 e que poderá ser chamado por Fernando Santos a qualquer instante. Há ainda Tobias Figueiredo (22 anos), Paulo Oliveira (24 anos), Tiago Ilori (22 anos) mas Portugal e os clubes ditos grandes têm de começar a investir seriamente nessa área.

Médios

É aqui que Portugal tem as melhores ´diamantes`. William Carvalho (24 anos), André Gomes (22), Bernardo Silva (22), Renato Sanches (19), Rúben Neves (19), João Mário (23) dão mais do que garantias para um futuro risonho. Danilo, 25 anos, também entrará na equação daqui a seis anos. Entre os mais jovens ainda nos sub-21, destaque para André Horta (19 anos) e Bruno Fernandes (22 anos), nomes que podem saltar para a seleção A a curto prazo.

Avançados

Com André Silva (20 anos), Portugal parece ter encontrado finalmente o seu homem-golo. A ascenção meteórica do jovem avançado do FC Porto alimenta a esperança dos portugueses e promete tornar-se num caso sério. Além de André Silva, há mais alternativas na frente, como Gelson Martins (21 anos), Rafa Silva (23 anos), Gonçalo Guedes (19), sem esquecer outros jogadores que podem ser chamados como Ivan Cavaleiro, (22), Ricardo Horta (22), Iuri Medeiros (21), Diogo Jota (19). E ainda Ricardo Pereira, que tanto pode jogar como lateral esquerdo e direito e ainda extremo.

Como se pode ver, o futuro do futebol português deverá ser risonho e, independentemente do selecionador, haverá muitas e boas alternativas. E até lá poderão surgir outros nomes que não foram aqui mencionados. De referir ainda que os jogadores aqui mencionados tanto podem dar para jogar num 4-4-2, esquema tático atual da Seleção, como no habitual 4-3-3, com um avançado e dois extremos, servidos por três médios.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.