Fernando Santos diz não perceber o que se passou nos 15 minutos finais do primeiro tempo do jogo com a Hungria, quando Portugal apanhou-se a jogar com mais um jogador, após a expulsão de Priskin. O selecionador luso explicou, na zona de entrevistas rápidas à RTP, que Portugal foi melhor, mas que mostrou receio de ir para a frente, após o 1-0.

Batalha de Budapeste: "É um jogo difícil de descrever, de ler. Até aos 30 minutos fomos muito melhores, organizados, a jogar com muita pressão, o que não permitiu que o adversário jogasse. Criamos cinco, seis, sete ocasiões de golo, pelo que o golo ia acabar por aparecer, tal era o nosso volume atacante. Criamos muitas oportunidades, muitos remates, mas depois da expulsão, não sei o que aconteceu. Deixamo-nos levar com o futebol ofensivo, entramos em discussões desnecessárias e perdemos 15 minutos".

Mudanças ao intervalo: "Ao intervalo chamei a atenção para isso, que não podíamos entrar nesse tipo de futebol. Entramos bem outra vez, com bons dez minutos, fizemos o golo e a partir daí tivemos o jogo sempre controlado, mas estava perigoso. A sensação que deu era que os jogadores sentiam que este jogo era como uma final e ficaram na dúvida: se era para ir para a frente e fazer o 2-0 ou se era para ficar. E tiveram alguns momentos de travagem, isso fez com que o jogo ficasse controlado, mas difícil".

O 2-0 acabava com o jogo, mas não saiu: "Penso que tivemos muito receio de jogar para a frente. Mas eu percebo, havia muita ansiedade..."

Mudanças no onze: "O Danilo porque o William não jogava há imenso tempo, queixou-se de dores após o jogo de 5.ª feira, se entrasse podia ter de queimar uma substituição. O Fábio Coentrão porque era para dar algo diferente aos corredores, é um jogador que arrisca mais, aparece tanto por dentro como por fora, ao contrário do Eliseu que joga mais por fora. O Fábio estava a jogar bem, a dar o que pretendíamos, mas a substituição forçada limitou as minhas opções e estive sempre na dúvida sobre quando fazer a substituição final. Gelson porque precisava de mais verticalidade e velocidade, pensei que os húngaros fossem jogar mais ao ataque"

Próximos jogos: "Vamos ter uma jornada duríssima em Andorra, ao contrário do que toda a gente pensa. Só perdeu 1-0 com a Suíça, ganhou a Hungria, empatou com as Ilhas Faroé, em casa são muito difíceis. Temos uma viagem terrível, caso não seja possível aterrar em Andorra, vamos ter de fazer uma viagem de três a quatro horas de autocarro e três dias depois temos o jogo com a Suíça. Portugal tem agora duas finais para disputar".

Portugal venceu a Hungria por 1-0 em Budapeste, em jogo do Grupo B da qualificação Europeia ao Mundial2018.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.