Fernando Santos concedeu uma entrevista à RTP a poucos dias do arranque dos trabalhos para o Mundial2018. O selecionador de Portugal justiticou a chamada de alguns jogadores, como Rúben Dias, Manuel Fernandes e Adrien e explicou porque deixou de fora Nani e Éder.

Éder: "O patinho feito tinha que vir de algum sítio. Em março ninguém pedia o Éder. Faço as escolhas de acordo com aquilo penso, com a estratégia e modelo. Nessa altura, o André Silva faz dois golos na final da Taça e fui alvo de muitas críticas. No aspeto humano tenho imensa pena de não convocar todos aqueles que estiveram comigo no Europeu. Não posso dar palavras a todos senão não largo o telemóvel. O Vieirinha fez uma temporada óptima esta época, por exemplo. Podíamos falar aqui de todos. Não podia esquecer os que lá estiveram como aqueles que nos ajudaram a chegar ao Europeu. Tenho que fazer escolhas, neste momento foram outras."

Nani: "Nani foi um dos jogadores chave do campeonato da Europa e tem, neste momento, confronto direto com jogadores de características semelhantes".

Rúben Dias: "Alguns dizem que levo muita gente nova, que nunca estiveram numa competição deste nível. Não é pela idade ou pela experiência internacional, é por aquilo que as observações ao longo de dois anos determinaram. Não foi fácil chegar aos 35 pré-convocados, defendia que o número fosse aumentado, para ter quatro jogadores por posição, mas não foi aceite. Escolher 23 é ainda mais difícil, foi olhar para o puzzle. Se tivesse Danilo, não era titular indiscutível, mas era indiscutível nos 23 porque me dava muitas opções, além da enorme qualidade que ele tem. Com ele se calhar podia levar mais um avançado. Todos podem ser titulares. Vamos ter três jogos, vamos observar. No Europeu de 2016 utilizei os quatro centrais. Há que pensar em todas as contingências. Sei bem o desgaste que este tipo de competições provoca."

Manuel Fernandes: "Tem características diferentes, não tem a ver com o número de oportunidades. Procuramos encontrar um lote de jogadores que nos dê opções diferentes. Portugal tem jogadores que em 2016 não estavam na seleção, um deles não esteve por estar lesionado, o Bernardo, mas há André Silva, Gelson, Gonçalo Guedes. Em relação ao modelo da equipa, o que tem que fazer nos mais variados momentos do jogo, isso mantém-se, mas podemos utilizar estratégias diferentes daquelas que usamos no Europeu.

Adrien: "Tem características diferentes. Se não tivesse começado a atuar com mais regularidade teria sido difícil ter sido convocado. Tem rigor tático muito grande, um conhecimento muito profundo da nossa maneira de jogar, saiu há um ano do Sporting e muitas vezes fez o meio-campo com William e João Mário. Há que encontrar pontos de equilíbrio. Alguma reverência sim, mas há que manter alguma estabilidade, é preciso que a equipa se conheça, não é em três semanas que se põe uma equipa nova a jogar."

O primeiro treino de Portugal está agendado para terça-feira, às 17:30, na Cidade do Futebol, com os primeiros 15 minutos a serem abertos à comunicação social.

No dia 28 de maio, Portugal defronta a Tunísia, em Braga, no primeiro particular que serve de teste para o Mundial2018.

Em 09 de junho, após os particulares com a Bélgica (dia 02 em Bruxelas) e com a Argélia (dia 07 em Lisboa), a equipa lusa viaja para a Rússia, onde tem estreia marcada frente à Espanha, em 15 de junho, em Sochi.

Além dos espanhóis, Portugal defronta Marrocos e Irão, de Carlos Queiróz, nos restantes jogos do grupo B.

O Mundial2018 arranca em 14 de junho e termina em 15 de julho.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.