O particular de domingo com a Escócia, em Glasgow, vai ser disputado como se fosse um jogo ‘a sério’, afirmou este sábado, o selecionador português de futebol, que advertiu para a influência da "paixão" dos adeptos.

“Para mim, não há jogos amigáveis, há uns que valem pontos e outros que não valem pontos", afirmou Fernando Santos, durante a conferência de imprensa de antevisão do jogo, após o treino da seleção portuguesa de futebol, em Hampden Park.

A diferença, acrescentou, é que nos jogos oficiais só se podem fazer três substituições e nos particulares, como o de domingo, é possível fazer seis, permitindo testar jogadores menos utilizados.

Danilo: "Não creio que tenha que dar mais mim do que tenho dado aqui"
Danilo: "Não creio que tenha que dar mais mim do que tenho dado aqui"
Ver artigo

Em relação ao adversário, Fernando Santos falou de uma Escócia “em renovação” e que irá colocar “muitas dificuldades” a Portugal, com um futebol “muito diferente” do que a equipa lusa está habituada a enfrentar.

No jogo de quinta-feira, com Israel, que acabou com uma derrota por 2-1, a Escócia variou entre o ‘3-4-3’ com que iniciou a partida e ‘3-5-2’ da segunda parte, segundo o técnico luso.

“A equipa da Escócia é muito rápida, (com) laterais a subir muito fortes, que partem o jogo com muita facilidade, porque saem rapidamente da sua zona defensiva para a sua zona atacante e assim sucessivamente. Isso fará deste jogo um jogo em que vamos ter de pôr em campo todas as nossas competências e qualidades em termos de organização, e a nível da concentração”, acrescentou.

O selecionador luso quer controlar o jogo, para contrariar a energia e dinamismo do adversário, composto por “jogadores que nunca dão uma bola por perdida, (que) vão sempre até ao limite na sua entrega ao jogo”.

Fernando Santos manifestou respeito pela competitividade do futebol escocês, que se caracteriza por um apoio forte dos adeptos quando jogam em casa, o qual marcou as suas duas visitas como técnico ao país: em 2001, enquanto treinador do AEK Atenas, perdeu por 3-2 contra o Hibernian, na Liga Europa, e em 2006, à frente do Benfica, perdeu por 3-0 contra o Celtic, na Liga dos Campeões.

“É apaixonante jogar na Escócia, porque a paixão transmitida de fora para dentro leva os jogadores a transcenderem-se e a fazerem jogos fantásticos. Os jogadores têm de estar preparados para isso. A paixão que vem de fora para dentro é muito importante. O povo escocês é muito apaixonado pelo jogo e apoia muito as suas equipas", advertiu o técnico.

O técnico eiterou que o critério para a seleção da equipa e plano de jogo será a vitória da partida, que começa às 17:00 horas locais (mesma hora em Portugal), no estádio nacional de Hampden Park.

Fernando Santos fala de "jogos ideiais" e revela o momento que lhe deu mais prazer na Seleção Nacional
Fernando Santos fala de "jogos ideiais" e revela o momento que lhe deu mais prazer na Seleção Nacional
Ver artigo

“Se tiver de escolher entre ganhar normal ou perder com nota artística, eu ganho. Eu sei que a equipa só pode ganhar se jogar bem e quero que a equipa jogue bem. Se isso depois for mais agradável à vista, é melhor para o treinador, jogadores, público e imprensa. Mas, muitas vezes as características da equipa ou aquilo que o adversário nos coloca em campo não permite. Nesse momento, a minha opção é ganhar”, resumiu.

O encontro particular entre as seleções principais da Escócia e de Portugal realiza-se no domingo, pelas 17:00, no Hampden Park, em Glasgow.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.