Paulo Bento foi apresentado como seleccionador nacional há nove meses, sucedendo a Carlos Queiroz no comando técnico da equipa. Portugal estava numa situação muito difícil, com o apuramento para o Euro 2012 em risco e uma equipa ainda a assimilar a má campanha no Mundial 2010.

Em entrevista ao diário A Bola, Paulo Bento confessa que a situação da selecção nacional está melhor, desde que assumiu o cargo, e rejeita a ideia de que lhe tenham endereçado um convite envenenado.

«Hoje as coisas estão melhor, não estão resolvidas, mas tendo em conta que o objectivo de qualquer treinador – o de ser seleccionador nacional - entendi que devia avançar. Porque era uma situação que me agradava, me satisfazia e me orgulha. Até agora as coisas estão a correr bem, mas, apesar disso, nunca vi o convite como um presente envenenado»,

Desde que Paulo Bento chegou à equipa das quinas, Portugal somou três vitórias consecutivas no apuramento para o Euro 2012 e garantiu o primeiro lugar do Grupo H. O técnico está satisfeito com os resultados da equipa portuguesa mas não esconde que no início a situação era dificil.

«O projecto que me foi apresentado tinha, e tem, a ver com um objectivo: apurar Portugal para a fase final do Euro 2012. Numa situação que era difícil, não vale a pena escondê-la. Porque tínhamos um ponto em seis possíveis, num grupo bastante mais reduzido do que a maioria, com um jogo contra um adversário que tinha ficado à nossa frente no apuramento para o Mundial, com outro jogo contra um adversário directo, ao qual não ganhávamos desde 2008. Portanto, não havia facilidade nenhuma naquilo que era a nossa missão», confessou.

A selecção portuguesa regressa no próximo dia 2 de Setembro para um embate com o Chipre.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.