“A minha missão é tentar esclarecer e não deixar nenhuma dúvida sobre os factos que me levaram às suspeitas de que não se tratou de um processo normal. Vou para casa descansado por ter cumprido o meu dever e confiante de que a Justiça dos homens vá funcionar”, declarou Carlos Queiroz à saída.

O treinador denunciou Laurentino Dias, Luís Horta e três médicos envolvidos numa acção de controlo antidoping durante o estágio da selecção portuguesa na Covilhã, antes do Mundial África do Sul2010, por alegados “indícios de fraude processual”.

“Estou empenhado no meu futuro e reservo para mim e para mais tarde aquilo que penso sobre as pessoas envolvidas. Tenho a minha opinião e a minha sensibilidade, mas não é a mim que me compete decidir”, disse ainda.

À entrada, Queiroz tinha acusado os intervenientes no processo de inquérito de que foi alvo de terem efectuado “alterações, rasuras e datas truncadas” em documentos oficiais.

O ex-seleccionador foi castigado pela Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) com seis meses de suspensão, devido a alegados insultos a elementos do organismo que fizeram um controlo antidoping inopinado.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.