Questionado sobre o recente escândalo de infidelidade conjugal do defesa central do Chelsea, John Terry, que lhe custou o cargo de “capitão”, Mourinho preferiu não comentar as medidas aplicadas ao futebolista.

"O Terry comigo foi um ‘capitão’ fantástico e não vou comentar a decisão do seleccionador de Inglaterra, mesmo que pudesse ser eu a estar no seu lugar, nem do proprietário do Chelsea", disse o treinador do Inter, na antecipação da eliminatória com os londrinos, para a Liga dos Campeões, cuja primeira “mão” se realiza quarta feira, em Milão.

Mourinho confessou ter-se sentido "orgulhoso" pelo convite endereçado pela Federação inglesa e, ao mesmo tempo, "dividido": "Por um lado queria aceitar o convite, mas por outro não. Gosto de treinar todos os dias e por isso recusei".

O encontro dos oitavos de final da Liga dos Campeões que opõe quarta feira o Inter ao Chelsea tem o aliciante extra de ver Mourinho enfrentar Carlo Ancelotti, precisamente o treinador com quem, na época passada, ao serviço do AC Milan, protagonizou algumas "picardias verbais" no âmbito da rivalidade histórica entre os dois clubes de Milão.

Acresce que Ancelotti veio esta semana, em declarações à imprensa inglesa, lançar "mais achas para a fogueira" ao afirmar que "toda a Itália, com excepção dos adeptos interistas, quer que o Chelsea vença o Inter".

"Se Ancelotti disse isso é porque o pensa ou porque alguém lho disse, não sei. Só penso em fazer o meu trabalho e estou aqui para jogar uma partida e nada mais do que isso", observou Mourinho, que se recusou a comentar o castigo de três jogos que lhe foi aplicado pela Federação italiana por ter insultado a equipa de arbitragem, após o jogo com a Sampdória, na última jornada da Liga italiana, no qual o Inter viu dois jogadores seus expulsos pelo árbitro.
O técnico português admitiu "conhecer bem" o Chelsea, mas explicou que isso não significa que o jogo de quarta feira vá ser "mais fácil" para a sua equipa, podendo, pelo contrário, tornar-se "mais complicado", citando o exemplo da primeira vez que enfrentou a sua antiga equipa, o FC Porto, quando estava ao serviço do Chelsea.
"O Inter e o Chelsea são duas equipas habituadas a ganhar, a jogar para ganhar, e não me recordo de nenhuma partida em que ambas tenham entrado para defender um 0-0", referiu Mourinho, para quem seria "decepcionante" se quarta-feira "não houvesse um jogo bonito e espectacular".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.