Resumo do Jogo

A 'lotaria' voltou ontem a sorrir ao Sporting na Taça da Liga, numa segunda meia-final em que os 'leões' pouco fizeram para superar o anfitrião Sporting de Braga e seguir para o jogo do título.

Em mais um embate marcado pela arbitragem, desta vez por um caso único, a anulação polémica, via VAR, de um golo aos 'arsenalistas' a abrir a segunda parte, os 'leões' impuseram-se pelo terceiro jogo consecutivo nos penáltis numa 'final four'.

Depois de na época passada se terem imposto ao FC Porto, nas meias-finais, e ao Vitória de Setúbal, na final, os 'leões' bateram agora o Sporting de Braga, por 4-3, num desempate em que se falharam sete 'tiros' e Renan acabou como 'herói', ao parar três, incluindo o último, o 14.º da noite, de Ryller.

Nos 90 minutos, o Sporting de Braga entrou a ganhar, com um tento de Dyego Sousa, logo aos três, mas, depois de Wilson Eduardo perdoar, aos seis, o segundo, perdeu embalagem na primeira parte e, aos 37, Coates empatou, após um canto.

Os 'leões' não 'existiram', porém, na segunda metade, com exceção a duas jogadas já nos descontos, e o Sporting de Braga foi infeliz, num cabeceamento ao 'ferro' de Raul Silva e no golo de João Novais que não contou, por uma 'faltinha'.

Nos penáltis, e apesar de ter falhado três (Bas Dost, Coates e Nani), o Sporting impôs-se e, no sábado, vai disputar uma inédita final com o FC Porto, que na terça-feira se impôs ao Benfica (3-1), num jogo muito melhor, exceto na arbitragem.

Primeira parte com os dois golos marcados e um Braga mais forte

Em relação aos últimos jogos no campeonato, o Sporting de Braga só manteve cinco jogadores, entre eles Ryller, enquanto o Sporting mudou apenas dois, com Bas Dost a ser relegado, surpreendentemente, para o banco, entrando Luiz Phellype.

Keizer: "Não foi um jogo de muita qualidade"
Keizer: "Não foi um jogo de muita qualidade"
Ver artigo

O encontro começou, praticamente, com o tento dos anfitriões, que nasceu, logo aos três minutos, num cabeceamento do 'matador' Dyego Sousa, que surgiu solto na 'cara' de Renan Ribeiro, após centro da esquerda de João Novais.

A defensiva 'leonina' entrou completamente a 'dormir' e podia ter pagado muito caro se, pouco depois, aos seis minutos, Wilson Eduardo não tivesse falhado o remate, isolado por mais um passe para as costas da defesa 'leonina', agora de Esgaio.

Um tímido remate de Bruno Fernandes, aos 10 minutos, começou a mudar o cariz do jogo, trazendo um Sporting, embora sem um ritmo muito elevado, mais ofensivo e perigoso, com Raphinha (19 minutos), Nani (19) e Gudelj (21) a tentarem a sua sorte.

A primeira grande ocasião para o empate aconteceu aos 33 minutos, com Nani e isolar Raphinha e este a não ter arte para bater Marafona, e o empate surgiu aos 37, por Coates, que se antecipou a Raul Silva, e cabeceou imparável, após canto de Acuña.

Na parte final da primeira parte, e perante um Braga não mais visto no ataque, destaque para um remate para as 'nuvens' de Acuña, aos 44 minutos, após jogada entre Bruno Fernandes e Nani.

Braga marcou na segunda parte, mas golo foi anulado pelo VAR

O intervalo fez bem aos 'arsenalistas', que só precisaram de 32 segundos da segunda parte para marcar, por João Novais, de cabeça, após centro de Wilson Eduardo. Mas, alertado pelo VAR, o árbitro foi ver as imagens e 'descobriu' uma falta sobre Acuña.

A decisão enervou os jogadores do Sporting de Braga, que acalmaram, porém, com alguns amarelos e assumiram o comando do jogo, mas sem conseguirem criar grande perigo, exceção a dois livres de Sequeira, em jeito de centros que viraram remates.

VÍDEO: Em 3 minutos, Abel Ferreira berrou, deu murros na mesa e pediu ajuda
VÍDEO: Em 3 minutos, Abel Ferreira berrou, deu murros na mesa e pediu ajuda
Ver artigo

Numa segunda metade que se foi 'arrastando', até porque as substituições nada trouxeram de novo, os bracarenses, sempre por cima, a querer mais, quase marcaram aos 75 minutos, num cabeceamento à barra de Raúl Silva, após canto de João Novais.

O Sporting, desaparecido ofensivamente em toda a segunda parte, reapareceu nos descontos, com duas iniciativas pela esquerda, primeiro de Wendel, parada por Marafona, e depois de Jefferson, que Bas Dost não conseguiu desviar.

Já perto do final houve um novo momento polémico. Num lance entre Coates e Claudemir na área, Manuel Oliveira recorreu ao vídeo-árbitro, com ele a visionar as imagens e acabou por mandar seguir o jogo.

A igualdade manteve-se e tudo acabou decidido nos penáltis: dos primeiros sete, só Bruno Fernandes marcou, mas depois, acertaram-se seis, até Ryller permitir a terceira defesa a Renan, contra duas de Marafona, mais dois 'ferros'. Passou o Sporting.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.