Filipe Martins era um treinador orgulhoso, mesmo após a derrota do seu Real Massamá frente ao Benfica, nos oitavos-de-final da Taça de Portugal. O técnico gostou do que viu e avisa que agora é hora de virar baterias para o Campeonato de Portugal.

Análise ao jogo: "Estou completamente satisfeito. Demonstrámos a nossa qualidade, que era o nosso propósito. Sabíamos que o resultado era muito difícil de discutir. A nível de organização coletiva fizemos um jogo muito competente, mas sabíamos que não ia ser fácil. Jogamos há três dias com a nossa equipa, temos apenas 18 jogadores e se calhar fizemos uma primeira parte mais audaz do que devíamos ter feito. Na segunda parte não tivemos muito critério, não conseguimos sair como queríamos porque estávamos cansados. O segundo golo matou-nos porque eles são humanos e não estão habituados a este andamento. Faltou frescura. Mas há que dar mérito ao Benfica.

Primeira parte audaz: "Talvez não nos teríamos desgastado tanto fisicamente se tivéssemos feito um jogo mais defensivo. Mas é o que tinha dito, não vínhamos aqui só para defender. Demos uma boa imagem, não nos limitamos a defender e sabíamos que a fatura ia ser paga. Queria mostrar a qualidade dos meus jogadores e que no Campeonato de Portugal há boas equipas. Perdemos e perdemos bem, parabéns ao Benfica. Se já tinha orgulho de ser treinador desta equipa, hoje ainda tenho mais".

Vivências na Taça: "Queremos chegar o mais longe possível na carreira, os jogadores também. Foi uma semana diferente, disfrutamos, mas agora há que virar a página e pensar já no Casa Pia no próximo domingo que é o nosso campeonato".

O Benfica venceu o Real Massamá por 3-0 e assegurou a passagem aos quartos-de-final da Taça de Portugal. Os golos das 'águias' surgiram todos na segunda parte com Mitroglou a bisar. Jiménez fechou a contagem.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.