O Rio Ave eliminou hoje o Benfica da Taça de Portugal em futebol, ao vencer os 'encarnados' por 3-2, após prolongamento, em jogo dos oitavos de final da prova, disputado em Vila do Conde.

Num encontro de reviravoltas, adiantou-se o Benfica, detentor do troféu, por Jonas, aos 36 minutos, mas os vila-condenses deram a volta na etapa complementar, com golos de Lionn, aos 47, e de Ruben Ribeiro, aos 62, tendo Luisão, aos 86, obrigado a partida a ir a prolongamento.

No tempo extra, e com o Benfica reduzido a 10 devido a impedimento físico de Luisão, Guedes marcou o golo da vitória para a equipa de Vila do Conde, aos 94.

No final do jogo, o treinador do Rio Ave mostrou-se naturalmente satisfeito pela vitória sobre o Benfica e assumiu a conquista da Taça de Portugal como um dos objetivos da época.

"Retiro sensações boas. Parece-me que o Rio Ave é um justo vencedor por tudo o que a minha equipa teve de lutar contra as adversidades e pela capacidade de resiliência. Tinha dito que era fundamental um grande espírito de equipa. O que é facto é que a diferença entre a mediocridade e a grandiosidade são os sentimentos que os jogadores têm uns pelos outros. Isso hoje [quarta-feira] fez de nós muito grandes. Exaltamos esse espírito e essa capacidade", começou por dizer Miguel Cardoso em declarações à Sport TV.

"Queremos sempre uma capacidade de não-traição àquilo que é a nossa ideia de jogo. Naturalmente que jogamos com o Benfica e jogar com o Benfica não é o mesmo que o fazer contra outras equipas, com todo o respeito pelos outros. Teríamos de interpretar os momentos em que nos conseguíssemos impor e os momentos em que não. A equipa está de parabéns. Foi capaz de entender nos momentos de paragem o que era preciso trazer para o jogo. O espirito de sacrifício foi fabuloso. Salienta uma capacidade de não atraiçoar o que fazemos todos os dias. A maior alegria é sentir que somos um grupo que temos valores e saber que esses valores são traduzidos dentro do campo", acrescentou o técnico sobre a ideia de jogo da sua equipa.

"As pessoas não podem querer muito mais do que aquilo que temos vindo a fazer. Não podemos querer ser dominadores em todos os momentos do jogo mas vamos aproveitar cada momento como se fosse o último. A equipa entendeu que este era um jogo de oportunidade e entenderam que se poderiam valorizar não através do resultado mas por tudo aquilo que fizessem e levasse ao resultado, valorizando muito mais o processo. Isso é que foi fundamental. A cada adversidade, respondemos com algo positivo. Respeitando o Benfica, olhamos para nós e focamo-nos naquilo que conseguimos fazer", frisou Miguel Cardoso sobre a importância de manter o foco na sua equipa apesar de respeitar o adversário.

"Sonhar com o Jamor? Não é um sonho, é um objetivo. Por vezes os sonhos são pesadelos e isso pode ser mau. Apenas ganhámos mais um jogo. Há adversários com muita valia. Esta equipa vai competir porque está imbuída com esse espírito. Acredito que vai ganhar mais vezes do que as que vai empatar ou perder. Não vamos alterar o nosso caminho", sentenciou Miguel Cardoso.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.