O golo do defesa vila-condense Gaspar, a 15 minutos do final, acabou por fazer a diferença, numa partida sem grandes focos de interesse, em que foi evidente a maior experiência da formação da casa.

O Rio Ave assumiu o favoritismo desde os instantes iniciais do desafio, surgindo como a equipa mais ambiciosa em campo, mostrando maiores argumentos no capítulo ofensivo.

João Tomás foi uma constante “flecha” apontada à baliza açoriana e por duas vezes, ainda antes dos 20 minutos de jogo, esteve perto de inaugurar o marcador.

Do outro lado, o Santa Clara revelava-se inoperante no ataque, gizando alguns contra-ataques, mas sempre sem criar perigo para o guardião Mora, um autêntico espectador nesta primeira etapa.

Perante o encolhimento dos visitantes, o Rio Ave cresceu e já perto do intervalo desperdiçou as melhores oportunidades do desafio, com os remates de Tarantini e Chidi a falharam por pouco o alvo.

A reacção do Santa Clara já só surgiu na segunda parte, com os açorianos a reentrarem melhor no jogo, criando, logo nos primeiros minutos, um par de situações perigosas para o guardião Mora.

O Rio Ave parecia então ter perdido o fulgor da fase inicial do desafio, não surgindo com tanta acutilância junto à baliza de Ney.

No entanto, à passagem do minuto 75, um cabeceamento de Tarantini serviu de primeiro aviso aos insulares, que na sequência desse lance viram o defesa Gaspar, após um canto, assinar o 1-0, num golpe da cabeça indefensável.

Em desvantagem, a formação dos Açores ainda tentou reagir, com Rincon e Lendro Tatu a mostrarem-se como os mais inconformados.

Mas a maior experiência da formação da I Liga, não permitiu que o resultado se alterasse, ditando a passagem do Rio Ave à V eliminatória da Taça de Portugal.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.