O Sporting foi ao Estádio do Jamor, casa emprestada do Sacavenense, vencer com naturalidade e sem dificuldades de maior, por 7-1, o conjunto da Série F do Campeonato de Portugal.

Um golo madrugador de Nuno Santos ajudou a que o conjunto de Alvalade partisse para uma exibição segura e para uma vitória tranquila. O capitão Seba Coates bisou com dois excelentes golpes de cabeça e, pelo meio, Jovane Cabral marcou de penálti, com o Sacavenense a fazer por merecer o tento de honra que acabou por lograr, quando o resultado já estava em 4-0, antes de Pedro Marques saltar do banco para fechar o resultado, com dois golos perto do fim.

'Leões' entram com tudo e marcam cedo

Frente a um adversário do terceiro escalão, Rúben Amorim apostou em várias mexidas no 'onze' inicial, mas a equipa não o pareceu acusar e depressa deu seguimento ao excelente momento que vem demonstrando nos últimos tempos. Ainda não estavam completos três minutos de jogo quando, num lance que começou nos pés do guarda-redes Luís Maximiano (uma das tais novidades) e passou por vários jogadores, Jovane lançou Nuno Santos, este apareceu nas costas de um defesa do adversário que falhou a interceção e desviou para o fundo das redes. Foi o quarto golo do antigo jogador do Rio Ave esta temporada.

E o quinto podia ter acontecido pouco depois. Desta feita, porém, depois de uma vez mais ter sido desmarcado por um passe de Jovane, Nuno Santos viu o seu remate devolvido pela base do poste da baliza do Sacavenense. E, minutos mais tarde, foi a vez do guarda-redes dos anfitriões, Tiago Mota, evitar que os 'leões' dilatassem a vantagem. Jogada de insistência da equipa leonina, com a bola a sobrar para um remate de João Mário, travado por uma excelente intervenção do guardião adversário.

Sacavenense reage, mas é o Sporting que marca mais dois

A partir do minuto 15 o conjunto de Sacavém começou a dar sinais de reação. Surgiu pela primeira vez junto à grande área contrária e até conquistou dois pontapés de canto, mas não conseguiu criar perigo e acabou por ser mesmo o Sporting a voltar a marcar.

Na sequência de um livre ainda longe da área cobrado por João Mário, Didi tentou o corte mas acabou por entregar a bola a Nuno Santos, que levantou para o coração da área do Sacavenense, onde apareceu, fulgurante, Coates a cabecear para o fundo das redes.

E o terceiro golo também não tardou. Sporar caiu na área num duelo com Iaquinta e o árbitro assinalou o castigo máximo. Na conversão do mesmo, Jovane rematou rasteiro para o 3-0. João Mário ainda ameaçou mais um, mas o resultado não sofreria mais alterações até ao intervalo.

Sporting volta a marcar a abrir, mas desta feita o Sacavenense responde

Se o Sporting havia começado a primeira parte a marcar, arrancou a segunda de igual forma. Um vez mais assistido por Nuno Santos, Coates, livre de marcação, voltou a cabecear com êxito, bisando na partida.

Desta feita, porém, a reação dos anfitriões foi imediata. Com os pupilos de Rúben Amorim a adormecerem depois de chegarem ao quarto golo, Iaquinta aproveitou para reduzir a desvantagem. Carlos Bebé ganhou um ressalto a Coates, cruzou para o segundo poste onde apareceu o avançado do Sacavenense a encostar. Matheus Nunes ainda tentou o corte, mas a bola entrou mesmo.

Um tento que motivou a turma de Sacavém, que apostou em subir mais no terreno, oferecendo contudo mais espaços na sua defesa. E, dessa forma, sem forçar muito, o Sporting foi somando oportunidades para marcar mais golos. João Mário, de cabeça, e Tabata, entrado minutos antes, ficaram muito perto do quinto dos 'leões'.

Trave nega o quinto a Gonçalo Inácio, Max nega o segundo ao Sacavenense

O encontro foi prosseguindo na mesma toada, apesar das mexidas que os dois treinadores iam efetuando. Com mais espaço, o Sporting mostrava agora uma ineficácia que não havia demonstrado na primeira hora de jogo. Gonçalo Inácio desviou de cabeça para a trave na sequência de um pontapé de canto e Nuno Santos e Tabata surgiram na cara do guarda-redes do Sacavenense, mas viram este negar-lhes o golo com duas boas defesas.

A turma da casa, porém, também não descurava qualquer oportunidade de chegar com perigo junto da baliza do Sporting e, à entrada por os dez minutos finais, valeu ao Sporting Luís Maximiano, a negar por duas vezes o segundo golo do Sacavenense, com duas boas intervenções.

Pedro Marques salta do banco para bisar e Gonçalo Inácio também marca

O jogo caminhava nessa toada para o fim, quando o Sporting acabou mesmo por chegar ao seu quinto golo. E a assinatura foi de um jovem que havia saltado do banco a meio do segundo tempo. Estavam decorridos 86 minutos de jogo quando Matheus Nunes cruzou com conta, peso e medida para a grande área do Sacavenense, onde Pedro Marques não precisou sequer de saltar para cabecear com êxito para o fundo das redes. Um golo 'à ponta de lança'.

Como o seria o segundo do avançado de 22 anos, que surgiu dois minutos mais tarde. No seguimento de um cruzamento de outro homem vindo do banco, Tabata, Duque tentou o corte e obrigou Mota a uma grande defesa, mas Pedro Marques, oportuníssimo na recarga, aproveitou para bisar na partida.

Completamente abatido, o Sacavenense viria depois ainda a sofrer mais um golo, no último lance do jogo. Gonçalo Inácio, que já havia ameaçado com o tal cabeceamento aos ferros, acabou por marcar mesmo, também de cabeça, dando o melhor seguimento a mais uma assistência do brasileiro Tabata.

Veja o resumo do encontro

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.