A World Athletics (WA) pretende manter a equidade desportiva até aos Jogos Olímpicos Tóquio2020, pelo que vai disponibilizar aos atletas sem patrocínios calçado de topo tecnológico com os quais competem alguns dos melhores do mundo.

"Agora temos uma melhor visão geral das tecnologias que já entraram no mercado. Precisamos estabelecer regras que permitam manter o status quo até depois dos Jogos de Tóquio", disse o diretor-geral da WA, Jon Ridgeon.

Trinta e um dos 36 pódios nas seis principais maratonas de 2019 foram alcançados por corredores que usam Nike Vaporfly, cujas lâminas de carbono dentro das solas proporcionam uma sensação de propulsão a cada passo.

Esses sapatos com tecnologia revolucionária foram regularmente acusados de criar concorrência desleal, porém, com o “sistema para disponibilizar calçados desportivos", será permitido que todos os atletas beneficiem dos mesmos avanços tecnológicos.

"Essas mudanças visam manter o status tecnológico atual até os Jogos Olímpicos de Tóquio em todos os eventos até o recém-formado Grupo de Trabalho de Calçados de Atletismo, composto por representantes dos fabricantes de calçados e da Federação Mundial da Indústria de Artigos Desportivos (WFSGI) definir os parâmetros para alcançar o equilíbrio certo entre inovação, vantagem competitiva, universalidade e disponibilidade”, justificou a WA, em comunicado à imprensa.

No mundial de atletismo de 2019 foi limitada a espessura única a quatro centímetros, uma regra mantida a semana passada conselho da WA.

Jon Ridgeon assumiu que o adiamento dos Jogos de Tóquio para 2021 devido à pandemia de coronavírus permite à WA “ter mais tempo para consultar as partes interessadas e especialistas e desenvolver novas regras que estão em vigor até o final de 2021”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.