"São Tomé Príncipe está motivado e começa a preparar-se [para organizar os Jogos em 2018]", garantiu o diretor-geral dos Deportos à agência Lusa na ilha cabo-verdiana do Sal, onde domingo à noite terminou a 10ª Edição dos Jogos Desportivos da CPLP.

O dirigente realçou que "há um fator muito importante que é a vontade política de acolher os jogos, que faltava noutras alturas”.

“Neste momento já temos. E é esse fator que vai capitalizar a realização dos jogos com qualidade que se pretende", salientou o responsável governamental.

Angélico Santos indicou que "os primeiros passos já estão a ser dados" e acredita que, "com empenho e dedicação", o arquipélago de São Tomé e Príncipe vai realizar os jogos "com qualidade e hospitalidade" e vai fazer para que todas delegações se sintam em casa.

O diretor-geral dos Desportos disse à Lusa que um dos passos foi a construção de infraestruturas em todo o país capazes de sustentarem o desporto no país nos próximos tempos.

Esta será a primeira vez que São Tomé Príncipe vai organizar os jogos da CPLP, após dez edições que já aconteceram em todos os outros países da comunidade, exceto Timor-Leste, que quer organizar em 2020, e Guiné Equatorial, que entrou para a CPLP há apenas dois anos.

Os Jogos da CPLP são um evento multidesportivo cuja primeira edição foi realizada em 1992, em Lisboa, seguindo-se Bissau (1995), Maputo (1997), Praia (2002), Luanda (2005), Rio de Janeiro (2008), Maputo (2010), Mafra (2002), Luanda (2014) e Sal (2016).

Angélico Santos reconheceu que país não tem tradições na realização de grandes eventos, garantindo que aproveitou a estadia em Cabo Verde para ganhar experiência.

"Cabo Verde demonstrou que tem uma boa aplicação, conseguiu acumular alguma experiência com esses jogos, vamos tirar ilações e buscar ensinamentos no país e em todos os outros que têm experiência na realização dos jogos e de eventos de grande envergadura", afirmou.

O diretor-geral dos Deportos indicou que o São Tomé e Príncipe já dispõe das instalações básicas, como um campo de futebol "com excelentes condições", uma pista de atletismo, que falta apenas colocar o tapete sintético para a prática da modalidade, e instalações para treinos.

"E agora falta-nos é a construção de um pavilhão para suportar os desportos de salão", disse, indicando ainda que o país tem um "mar calmo e excelentes praias", que serão melhoradas para receber provas de voleibol e natação.

Angélico Santos, que recebeu hoje a tocha de próximo organizador das mãos do ministro do Desporto de Cabo Verde, Fernando Elísio Freire, avançou à Lusa que o arquipélago deverá realizar os jogos apenas na ilha de São Tomé.

"Não pretendemos dispersar os jogos porque isso acarreta maior nível de organização e também mais custos. Para que a qualidade seja salvaguardada, pretendemos realizar os jogos apenas na ilha de São Tomé, abrangendo dois ou três distritos", reforçou.

Os X Jogos da CPLP, que terminaram na noite de domingo, juntaram na ilha do Sal cerca de 500 atletas, que competiram nas modalidades de futebol, atletismo, andebol, taekwondo, basquetebol, natação e voleibol de praia.

O evento, cujas competições aconteceram nos dois principais centros da ilha, em Espargos e Santa Maria, é destinado a atletas de ambos os sexos dos sub-16, exceto a natação e o atletismo paralímpico em que podem participar atletas dos sub-20.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.