O atirador João Costa admitiu estar preocupado com as questões de segurança no Rio2016, mas desvalorizou os receios quanto ao vírus zika, dizendo que só não quer ser picado sete dias antes de entrar em competição.

“Em termos de segurança, vai ser muito complicado. Se, neste momento, assaltam hospitais para tirar de lá o camarada e fazem isso num hospital que está de plantão para os Jogos… Espero que não vá acontecer durante os Jogos. Sei que vão por as forças armadas de prevenção e a tomar conta da cidade, pena é que tenham da fazer isso”, considerou o atirador, que no Rio2016 vai participar nas provas de Pistola de Ar Comprimido a 10m e Pistola Livre a 50m.

João Costa mostrou-se também apreensivo quanto à conclusão de todas as obras previstas para os Jogos Olímpicos, que vão acontecer entre 05 e 21 de agosto, no Rio de Janeiro, mas mostrou-se confiante de que tudo acabará por correr bem.

“Em relação ao vírus, só me preocupa se eu for picado sete dias antes. Não é pelo vírus, ou pelo que ele possa fazer, mas pela febre que vai dar. Se estivermos com febre em dia de competição é complicado”, explicou à Agência Lusa.

O medalha de prata em Pistola de Ar Comprimido a 10m na primeira edição dos Jogos Europeus que decorreram em Baku, Azerbaijão, compreende que haja atletas a desistir do Rio2016 devido às preocupações com a segurança e o Zika. “Só conheço um caso desses, que é o australiano. Percebo perfeitamente, porque a mulher dele está grávida e ele não vai correr o risco”, apontou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.