A equipa norte-americana Education First, do português Ruben Guerreiro, pediu hoje que a Volta a Itália termine na próxima segunda-feira, com a União Ciclista Internacional (UCI) a rejeitar e prometer testes rápidos ao novo coronavírus.

Numa carta divulgada pela cadeia televisiva Eurosport, e já depois de Mitchelton-Scott e Jumbo-Visma terem abandonado a prova após casos positivos de covid-19, a Education First pede que a ‘corsa rosa' termine na segunda-feira, segundo dia de descanso, em vez de chegar a 25 de outubro, em Milão.

Com uma "bolha claramente comprometida", de proteção a novos casos, a prova liderada pelo português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) deve, no entender dos norte-americanos, terminar o quanto antes.

Os 11 testes positivos em quatro equipas, além de outro ‘staff', incluindo polícias que não estão dentro da ‘bolha', mas acompanham a prova, bem como "o período de incubação de sintomas ou positivos" são os principais motivos evocados pela formação norte-americana, que já venceu várias etapas, uma com Ruben Guerreiro, que lidera a classificação da montanha.

"Para a saúde de ciclistas, ‘staff', e comunidades através das quais vamos correndo, recomendamos que o Giro seja terminado antecipadamente. Acreditamos que seria melhor acontecer de forma sistemática do que uma desistência caótica, equipa a equipa. O segundo dia de descanso parece um final natural para a corrida, podendo declarar vencedores e uma prova bem-sucedida", pode ler-se na missiva.

Até lá, a Education First recomenda "pelo menos dois testes à covid-19 antes desse dia, com um encerramento ainda mais antecipado caso surjam mais positivos", entre outras medidas.

A resposta da UCI, a que a Eurosport teve acesso, veio pela mão do presidente, David Lappartient, que destacou as medidas colocadas em prática para minimizar os impactos da pandemia de covid-19 por parte do organizador, a RCS, com testes rápidos prometidos para serem implementados entre hoje e sexta-feira.

"Com estas medidas, confiamos na cooperação de todos para o objetivo comum de continuar o nosso desporto nas condições mais seguras possível. O resultado destas iniciativas será monitorizado de perto ao longo da continuação do evento, podendo levar a ações adicionais", adiantou.

A 12.ª etapa terminou hoje com a vitória do equatoriano Jhonatan Narváez (INEOS), com João Almeida a seguir na liderança da prova, que está inicialmente programada para terminar em 25 de outubro, numa 21.ª tirada realizada em contrarrelógio individual em Milão.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.