A Volta a Itália 2020 terminou domingo e para a memória de todos ficam as grandes exibições dos dois ciclistas portugueses em prova. João Almeida terminou no 4.º posto, a melhor classificação de sempre de um ciclista nacional na história do Giro, depois de andar 15 dias na liderança, com a camisola vestida, e Rúben Guerreiro sagrou-se 'rei da montanha', tornando-se no primeiro português a conquistar uma das quatro principais camisolas numa 'Grande Volta'.

FOI ASSIM O ÚLTIMO DIA DO GIRO 2020

Ora este desempenho teve também, naturalmente, repercussões a nível dos prémios financeiros que acabaram por ganhar ao longo da prova (prémios estes que, na maior parte das vezes, acabam depois por ser divididos pelas respetivas equipas). João Almeida foi mesmo o terceiro que mais dinheiro somou - 101.808 euros - apenas superado pelos dois primeiros classificados da prova, Jai Hindley e Tao Geoghegan Hart, grande vencedor do Giro 2020 (que 'angariou' 316.331 euros).

Já Rúben Guerreiro, que para além da camisola azul da montanha conquistou também uma etapa, foi o 8.º ciclista que mais somou com a sua prestação na prova: 29.113 euros.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.