João Almeida e Rúben Guerreira aterraram ao início da tarde desta segunda-feira em solo nacional, depois de 21 dias em que levaram bem alto o nome do Portugal e do ciclismo português.

O ciclista da Deceuninck Quick-Step, que passou 15 dias com a camisola rosa, símbolo de líder, no Giro de Itália, acabando depois a prova no quarto lugar da geral, a melhor classificação de sempre de um português, falou aos jornalistas à chegada ao nosso país, onde aterrou na companhia dos pais e de Rúben Guerreiro, que foi consagrado como rei da montanha da prova, em mais um feito histórico para o ciclismo nacional.

"É um balanço mais do que positivo. Estou muito satisfeito! Consegui a vestir camisola rosa e fomos vendo dia a dia. Foram 15 dias foi surpreendente e estou muito grato à minha equipa por tudo o que fizeram por mim. Sem eles não seria o mesmo! Ainda nem sei bem o que fiz...", confessou o corredor de 22 anos, que foi também o sub-23 mais bem classificado na prova, na qual bateu o recorde de mais dias como líder de um ciclista com menos de 23, superando, inclusive, o ‘Canibal’ Eddy Merckx.

A ‘maglia rosa’ só se separou do corpo do novo herói do desporto português no mítico Stelvio, onde Almeida descolou do grupo de favoritos logo no início da subida e pensou mesmo “adeus rosa”, antes de conseguir manter-se ‘à tona’, para perder o menor tempo possível.

“Sabia que seria complicado manter a camisola, era a etapa rainha. O Stelvio é uma das subidas mais duras do mundo. Gostei da subida, embora tenha perdido a camisola. A partir daí, foi tentar descobrir-me, manter o foco psicologicamente, que acho que é o mais difícil, e lutámos até ao final”, lembrou.

Além do quarto lugar final na geral do Giro, Portugal pôde também celebrar a conquista inédita de Ruben Guerreiro (Education First), o primeiro ciclista nacional a vencer uma das quatro principais classificações em grandes Voltas e a subir ao pódio final como ‘rei da montanha’.

“[Tenho] muito orgulho. O meu objetivo e o da equipa era lutar por uma etapa. Depois daquela etapa, a camisola foi um bónus, pelo que tinha de tentar mantê-la até ao fim. Foi uma luta muito difícil, mas com muito esforço e apoio dos meus companheiros lá conseguimos. Faço um balanço bastante positivo destas três semanas. Foi só a segunda grande Volta que fiz, estou satisfeito com as minhas sensações”, reconheceu o também vencedor da nona etapa da corrida italiana.

Ruben Guerreiro recordou a dura batalha que travou com o italiano Giovanni Visconti, que acabou por abandonar o Giro antes do arranque da 18.ª etapa por lesão, pela camisola da montanha.

“Na 15.ª etapa, perdi a camisola e tinha um rival, que era o Giovanni Visconti, que estava em muito boa forma e já tinha ganho a camisola da montanha antes na Volta a Itália [em 2015], e era muito inteligente. A minha corrida era diferente do João, passava por sair no primeiro grupo, e, a partir daí, das metas da montanha, desligava o botão, a pensar no outro dia a seguir”, detalhou.

O ciclista do Montijo, de 26 anos, confidenciou que, no primeiro dia de descanso, após ter vestido a ‘maglia azzurra’ na véspera, como bónus pelo triunfo na nona etapa, se reuniu com os responsáveis da Education First e ambos decidiram que deveriam concentrar-se na classificação da montanha, ao invés de lutarem por mais etapas.

“De facto, tive uma equipa brilhante e sempre me motivaram para a camisola da montanha, porque era uma camisola importante e para a equipa era importante estar no pódio final do Giro. As últimas seis etapas foram uma guerra autêntica para mim, em que tinha de ganhar ou tinha de ganhar”, declarou.

A 103.ª edição da Volta a Itália em bicicleta terminou no domingo, com a vitória do britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS).

Noticia atualizada às 15h16

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.