O ciclista britânico Geraint Thomas (Sky) voltou hoje a mostrar-se como o mais forte candidato ao triunfo na Volta à França, após a última etapa com chegada em alto, ganha pelo colombiano Nairo Quintana (Movistar).

Com quatro etapas para o final, Thomas parece ser cada vez mais o líder da Sky, em especial depois da quebra de hoje do seu compatriota Chris Froome, que caiu para terceiro e ficou mais longe da quinto triunfo no Tour.

A 17.ª etapa era curta, mas muito dura, com duas contagens de montanha de primeira categoria e uma de categoria especial, que coincidia com a meta, em Saint-Lary-Soulan, onde Quintana foi o mais forte, cortando a meta em 2:21.27 horas, menos 28 segundos do que o irlandês Daniel Martin (UAE-Emirates) e 47 do que Thomas.

Os 16 quilómetros, com 8,7% de inclinação média, da derradeira subida prometiam ataques entre os principais corredores do pelotão e os primeiros a fazê-lo foram Martin e Quintana, a mais de 15 quilómetros do final.

O colombiano não demorou muito a deixar o irlandês para trás e foi apanhando todos os resistentes da fuga do dia, um dos quais o seu colega Alejandro Valverde, que ainda o ajudou, com Rafa Majka (Bora-hansgrohe) a ser o último a ficar para trás.

"[O plano] Foi perfeito, tínhamos o Alejandro [Valverde] à frente e que me ajudou um pouco. Também tivemos o [Marc Soler] à frente, que ajudou a aumentar o ritmo do pelotão. Sabíamos que era uma etapa para escaladores puros e foi mesmo assim", referiu

No grupo dos favoritos, em que o dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana) foi o primeiro do 'top-10' a quebrar, os primeiros ataques foram dos homens da LottoNL-Jumbo, com o esloveno Primoz Roglic a ser o mais ativo.

Na primeira tentativa, o vencedor da Volta ao Algarve em 2017 levou consigo Froome e, na segunda, mostrou os primeiros sinais de fraqueza do vencedor das últimas três edições da 'Grande Boucle'.

Mas acabaria por ser um ataque do holandês Tom Dumoulin (Sunweb) a finalmente fazer quebrar Froome, que, mesmo com a ajuda do colombiano Egan Bernal, acabou por perder 48 segundos para Thomas.

Nos metros finais, Dumoulin e Roglic ainda perderam quatro segundos para um Thomas cada vez mais próximo de uma primeira vitória numa grande volta.

Thomas passou agora a ter 1.59 minutos de avanço sobre Dumoulin, que subiu a segundo, por troca com Froome, que está agora a 2.31.

Romain Bardet (AG2R La Mondiale), o melhor francês, acabou por ser o grande derrotado da ronda, ao descer do quinto para o oitavo lugar, percurso inverso ao feito por Quintana.

A etapa ficou ainda marcada pela queda do eslovaco Peter Sagan (Bora-hansgrohe), que terminou a etapa em grandes dificuldades e vai ser transportado ao hospital para fazer exames.

Na quinta-feira, os ciclistas terão uma ligação de 171 quilómetros, entre Trie-sur-Baise e Pau, sem grandes dificuldades.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.