O novo líder da geral da Volta a Itália, o australiano Jai Hindley (BORA-hansgrohe), disse hoje que vai “morrer pela camisola no domingo”, dia da 21.ª etapa, após hoje ‘destronar’ o equatoriano Richard Carapaz (INEOS).

“Eu vou morrer por esta camisola no domingo”, atirou, durante a ‘flash interview’ após a 20.ª etapa, que acabou no topo do Passo Fedaia.

O italiano Alessandro Covi (UAE Emirates), de 23 anos, cumpriu os 168 quilómetros entre Belluno e Marmolada, no topo do Passo Fedaia, em 4:46.34 horas, sendo 32 segundos mais rápido do que o esloveno Damen Novak (Bahrain-Victorious), segundo, e 37 do que o compatriota Giulio Ciccone (Trek-Segafredo), terceiro.

Nas contas da geral, um ataque de Hindley, sexto na tirada, deixou para trás o até aqui líder, o equatoriano Richard Carapaz (INEOS). O australiano lidera agora com 1.25 minutos de vantagem sobre o anterior ‘maglia rosa’, enquanto o espanhol Mikel Landa (Bahrain-Victorious) é terceiro, a 1.51.

Ao todo, nos últimos três quilómetros até à meta, no Passo Fedaia, e já depois do Passo Pordoi ter testado as pernas do pelotão, Carapaz perdeu quase um minuto e meio, estando agora a 1.25 minutos do novo ‘maglia rosa’.

Na ‘flash interview’, aconteceu de tudo ao australiano de 26 anos, que só pôde dizer que tinha noção de que “esta seria a etapa crucial da corrida” antes de ser abraçado por um companheiro de equipa.

“O final era brutal e, tendo boas pernas, seria possível fazer a diferença. Tivemos paciência e acabou por ser perfeito”, declarou, além de elogiar o germânico Lennard Kämna, seu companheiro de equipa, que baixou da fuga para lhe dar “um ‘empurrão’” no ataque final.

Pelo meio, ainda recebeu a ‘maglia rosa’, que passou a vestir, à semelhança da edição de 2020, quando chegou à liderança após a 20.ª tirada. No ‘crono’ final, perdeu a vitória final para o britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS).

Quanto a Mikel Landa, admitiu que não se sentiu “bem durante toda a etapa”. “No final, não pude responder ao ataque de Hindley, tive de gerir forças. Vi que Carapaz estava em dificuldade e tratei de seguir próximo”, explicou o ciclista espanhol.

O segundo lugar do equatoriano está a 26 segundos, ao alcance nos 17 quilómetros de ‘crono’ em Verona que faltam na 105.ª edição, mas este não quis assumir a ‘candidatura’. “Darei tudo”, resumiu.

Nono na geral, o também espanhol Juan Pedro López (Trek-Segafredo) viveu 10 dias como ‘maglia rosa’ e tem praticamente garantido o título de melhor jovem, uma classificação ‘órfã’ do português João Almeida (UAE Emirates), que abandonou na quinta-feira quando era quarto na geral.

“Estou sem palavras. Vinha com o objetivo de ganhar uma etapa, mas tudo isto, primeiro a camisola e depois a ‘maglia bianca’, de melhor jovem... Estou emocionado”, explicou.

No domingo, a 105.ª edição do Giro termina com um contrarrelógio individual de 17,4 quilómetros em Verona.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.