Numa recente entrevista a um blogue das camadas de formação da Fundação Jorge Antunes, o presidente do clube, José Antunes, revelou o que esteve na base da má época realizada pelo clube, apontando o dedo ao jogador Miguel Almeida, acusando-o de lhe “ter dado cabo do balneário”.

Num comunicado enviado ao site “Futsal Portugal”, Miguel Ameida defendeu-se das críticas de que foi alvo. Leia o comunicado na íntegra onde o internacional português responde a cada declaração de José Antunes:

(declarações José Antunes): "Os maiores problemas que tivemos esta época, independentemente das lesões, foi a contratação do Miguel Almeida. Deu-me cabo de um balneário por ter um estatuto enganador."

(Miguel Almeida) - Em relação à minha contratação e pelo facto de ter dado cabo do balneário, a única coisa que posso dizer é que não passa da opinião dessa pessoa , mas com a qual não concordo.. A relação que tive ,e que pretendo manter, com todas as pessoas ligadas directamente à equipa ,jogadores,várias equipas técnicas, medico, fisioterapeuta e roupeiro sempre foram de total respeito e de amizade mutua e num ano inteiro não tive nenhum problema com ninguém,tentando ajudar toda a gente especialmente os jogadores mais jovens. Neste momento mantenho um relacionamento de amizade com todos os meus ex-companheiros.

Em relação ao estatuto enganador, a única coisa que posso fazer é agradecer o elogio. Realmente estas palavras vindas de quem vêem só podem ser um elogio, porque na verdade não tenho absolutamente nada que ver com a forma que essa pessoa tem de estar no deporto e na vida. Não nos regemos pelos mesmos ideais nem tratamos as pessoas da mesma forma.

(declarações José Antunes) " Houve uma reunião de balneário que eu chamei-lhe de tudo que havia para chamar em frente aos colegas e ele cobardemente continuou no Clube."

(Miguel Almeida): Tenho que relembrar a esse pessoa que quem teve a "coragem" de lhe ligar para marcar uma reunião com ele fui eu e nunca o contrario, e nessa reunião fui eu que lhe disse que se não estava contente comigo eu me ia embora sem qualquer custo acrescido para o clube não querendo receber nada do que faltava do contrato, mas essa mesma pessoa  disse-me que não tinha nenhum problema comigo.

Quero ainda relembrar que no jornal "A Bola" de 15/05/2010 na pagina 29, saiu uma noticia na qual eu tinha deixado de comparecer aos treinos, o que é verdade, e que o processo seria encaminhado para o departamento jurídico do clube.

Em que é que ficamos? O problema é ficar ou é ir embora?
Já que chegamos a este ponto , vou tentar de uma forma sucinta explicar o porquê da minha saída do clube antecipadamente.

No dia 26 de Abril de 2010, quando chegamos ao treino á noite foi-nos comunicado pelo treinador e pelos capitães que os jogadores Esteves e Anderson , tinham sido ambos dispensados pelo clube. Foi-nos comunicado também que não havia mais dinheiro para pagar a ninguém e que quem quisesse ir embora podia ir. Estive ao serviço do clube ate dia 10 de Maio de 2010 . No dia 11 de Maio fui ao clube buscar as minhas coisas e vim-me embora sem receber o mês de Abril e os dias de Maio, e sem ter tentado até hoje receber o que seria meu por direito.

Devo lembrar também que ao longo da época fiz tudo o que estava o meu alcance para representar esse clube duma forma condigna, chegando ao ponto de jogar numa primeira fase com um braço partido e posteriormente com um dedo partido"ambas as lesões ao serviço do clube", contra ordens explícitas dos médicos que me viram, sacrificando-me pelo clube que representava, por isto sinto-me de consciência tranquila por tudo aquilo que fiz ao serviço do clube durante este ano enquanto atleta e como homem.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.