“Sinto a equipa confiante, como senti no início do estágio. Sinto o grupo confiante, motivado... com muita vontade de crescer. Este é o processo. Temos de ir crescendo dia a dia”, começou por dizer o internacional luso, citado pelos meios de comunicação da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

O jogador do Sporting, de 32 anos, considera que “muito mais do que os jogos, os jogadores têm de se preparar bem nos treinos, porque o que importa vem mais à frente”.

A equipa liderada por Jorge Braz cumpre a terceira semana de estágio em Viseu, com vista aos encontros da fase final do torneio, diante Tailândia, Ilhas Salomão e Marrocos, mas, antes, têm agendado cinco desafios de preparação, o primeiro frente a Angola.

“Por aquilo que eu conheço, [Angola] é uma equipa muito forte no um para um. Deverá ser também uma equipa muito forte fisicamente. Vai-nos colocar problemas diferentes daqueles que nós encontramos nos outros dois jogos que já fizemos [com o Japão e a Venezuela]”, analisou.

Por fim, o ala, internacional em 53 ocasiões, referiu que o “melhor Pany está sempre por vir”, mas, sendo o futsal um “desporto coletivo, não faz muito sentido focar no individual”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.