O irlandês Padraig Harrington considerou este domingo muito importante a vitória conseguida na 10.ª edição do Portugal Masters em golfe, disputado no Oceânico Victória, em Vilamoura, sobretudo por ter sido a primeira da época.

“Ainda não tinha vencido este ano, sei que a época está a chegar ao fim e é sempre importante vencer todos os anos. Foi uma grande vitória, venho aqui há 10 anos, gosto muito. Havia aqui muitos irlandeses, quase me senti a jogar em casa”, disse o jogador, que arrecadou um prémio de 333.330 euros.

Harrington, que ocupa agora a 43.ª posição na Corrida para o Dubai (o ‘ranking’ do circuito europeu), admitiu que o ‘birdie’ conseguido no buraco 11 foi decisivo para o primeiro triunfo da época, garantindo que jogou "bastante relaxado" durante toda a semana.

“Há sempre um ponto de viragem na volta. Estava a jogar bem, mas o ‘shot’ para ‘birdie’ no 11 mostrou-me que ia ser um dia bom”, afirmou o golfista irlandês, que terminou com um agregado de 261 pancadas, 23 abaixo do Par.

Harrington igualou o recorde da prova portuguesa (261), conseguido no ano passado pelo inglês Andy Sullivan, vencedor em 2015, que concluiu na segunda posição, com 262 pancadas.

O irlandês, que em 2007 e 2008 venceu o British Open, explicou que vai jogar mais três torneios até final da temporada, não sabendo ainda “se serão no circuito europeu ou norte-americano”.

Harrington, de 45 anos, partiu para a volta decisiva isolado na terceira posição, com 196 ‘shots’, mais um que o duo formado pelo dinamarquês Anders Hansen e o finlandês Mikko Korhonen, e menos um que um trio no qual seguia o vencedor de 2015, o inglês Andy Sullivan.

Na quarta volta, a pancada de vantagem conseguida nos dias anteriores mostrou-se decisiva para o triunfo de Harrington, que hoje marcou 65 ‘shots’ (-6 par), tal como Sullivan, que recentemente integrou a seleção europeia que perdeu a Ryder Cup para os Estados Unidos.

O dinamarquês Anders Hansen e o finlandês Mikko Korhonen, que partiram para a volta decisiva da prova - sempre “poupada” pela chuva - na condição de líderes, marcaram hoje 68 pancadas e terminaram empatados na terceira posição.

O português Ricardo Melo Gouveia conseguiu a sua melhor prestação de sempre na prova lusa, ao terminar no grupo dos classificados na 22.ª posição, com um agregado de 269 pancadas (-15 Par), arrecadando 20.800 euros.

A melhor prestação lusa no Portugal Masters continua a ser o 16.º lugar conseguido por Ricardo Santos na edição de 2012.

A prova contou com a presença de oito golfistas portugueses – seis profissionais e dois amadores -, mas apenas Ricardo Melo Gouveia passou o ‘cut’, conseguindo no final o segundo melhor resultado da época, depois do oitavo posto alcançado em agosto no Open da Dinamarca .

O Portugal Masters tem já assegurada presença no calendário do principal circuito europeu de golfe para 2017, devendo realizar-se em setembro e não em outubro, como tem sido habitual.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.