Os portugueses Tomás Bessa, Ricardo Santos, Filipe Lima e Ricardo Melo Gouveia mostraram-se satisfeitos com os resultados no Dom Pedro Victoria Golf Course, onde Tomás Santos Silva também se estreou com uma volta abaixo do Par no Portugal Masters.

O melhor representante nacional foi Tomás Bessa, que assinou um primeiro cartão com 68 pancadas, três abaixo do Par, para integrar o grupo dos 21.ºs classificados do torneio português do European Tour, dotado de um milhão de euros em prémios monetários e que está a decorrer à porta fechada, devido ao novo coronavírus.

“Tive uma sequência de buracos muito boa, fiz três ‘birdies’ e um ‘eagle’, que me deu algum alento, porque joguei um pouco mal os primeiros nove buracos, embora estivesse a sentir-me bem. No buraco 18 tive um pouco de azar no ‘lie’ da bola no ‘bunker’, depois de uma má saída. Quis ser demasiado agressivo e acabei por fazer um ‘bogey’, que foi o preço a pagar. Mas, ainda assim, não foi de todo um mau resultado”, explicou Bessa, em declarações à Sport TV, após registar ‘birdies’ nos buracos 7, 14, 15 e 16, um ‘eagle’ no buraco 17 e três ‘bogeys’ nos buracos 1, 5 e 18.

Ricardo Melo Gouveia, Ricardo Santos e Filipe Lima, por sua vez, concluíram a ronda inaugural no traçado algarvio com 69 pancadas e integraram o grupo de jogadores que partilham o 29.º lugar do ‘leaderboard’, disputado por 132 golfistas.

“Hoje joguei bastante sólido. Falhei um ou outro ‘drive’ e foi o que resultou em dois ‘bogeys’, no buraco 1 para o ‘rough’, e no buraco 9 também para o ‘rough’. De resto, joguei sólido, tive algumas oportunidades que não consegui concretizar, mas, no geral, foi uma volta consistente. As condições estavam um bocadinho mais fáceis durante a manhã, com os ‘greens’ mais recetivos e não tão rápidos, e estava pouco vento”, afirmou Melo Gouveia, em declarações à Lusa.

Já Ricardo Santos, apesar de garantir estar satisfeito com o resultado final, não esconde ter ficado uma sensação agridoce, depois de ter registado quatro ‘birdies’ nos primeiros nove buracos (2, 3, 5 e 7), manchados pelo par de ‘bogeys’ apontados no ‘green’ do 9 e do 12.

“Jogar abaixo do Par é sempre positivo, especialmente como o campo está. Depois do meu início de volta, fico com um sabor amargo, mas duas pancadas abaixo do Par deixam-se satisfeito”, justificou o algarvio, à Sport TV, enquanto Filipe Lima reconhecia ter ficado “muito contente com as duas pancadas abaixo do Par e ter voltado a competir”, após a pandemia da covid-19.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.