O treinador do Hóquei Clube de Braga está convicto de que a sua equipa pode atingir a final da Taça CERS, a disputar este fim de semana, em Itália, «e se possível trazer o troféu para Portugal».

«Seria muito bom», admitiu Vítor Silva, adiantando que «as coisas estão a correr bem» e a equipa «está pronta para disputar a final-four da Taça CERS», que irá decorrer em casa da formação transalpina do Bassano.

O HC Braga terá como adversária nas meias-finais a formação espanhola do PAS Alcoy, pelas 19h00 de sábado (18h00 em Portugal). A outra meia-final opõe os espanhóis do Vilanova aos italianos do Bassano.

«O único contratempo foi dois dos nossos jogadores terem partido o nariz há pouco tempo e estarem ainda a jogar de máscara, o que lhes impõe algumas limitações», sustentou Vítor Silva.

O HC Braga, que cumpre a sua quarta presença europeia consecutiva, chegou à "final-four" da Taça CERS depois de eliminar os alemães do RHC Friedlingen, com uma vitória fora por 7-4 e um empate em casa a 2-2.

Apesar do nome do adversário, menos cotado do que outras equipas, o facto é que na formação alemã, recorda o treinador, «jogam dois argentinos – um dos quais tido como o melhor do Mundo – e dois espanhóis».

«É verdade que tivemos alguma sorte no sorteio, mas, quando se chega a uma final-four, ninguém vai ver com quem passamos, a verdade é que passamos», defende o treinador do HC Braga.

Ainda de acordo com Vítor Silva, «o jogo com o Friedlingen foi extremamente difícil. Fizemos um excelente jogo na Alemanha. Mas agora já só estamos virados para os espanhóis».

«Vamos fazer tudo para passar este jogo das meias-finais, que também não vai ser fácil, porque o PAS Alcoy tem dois jogadores argentinos e é, com certeza, uma equipa de grau de dificuldade elevado», disse.

Caso o HC Braga ultrapasse os espanhóis do PAS Alcoy nas meias-finais, o treinador Vítor Silva não esconde o desejo de defrontar os itauianos do Bassano, a jogarem em casa, na final.

«Seria uma final com um pavilhão cheio, onde eu já realizei alguns jogos, e com um ambiente fantástico, extraordinário, muito bom para a modalidade, com cerca de 3500 pessoas nas bancadas», defendeu.

O treinador refere que «o mais lógico é dizer que o que interessa é passar à final, seja com que adversário for, mas não, gostava mesmo que fosse com os italianos do Bassano».

A formação bracarense parte na sexta-feira para Itália, via Bergamo, e só na manhã de sábado realiza a habitual sessão de adaptação à pista do pavilhão, em Bassano del Grappa.

«Não nos é permitido realizar o treino de adaptação à pista na sexta-feira, mas só no sábado, o que não deixa de ser um dado curioso, mas é igual para todos», refere Vítor Silva.

O Hóquei Clube de Braga foi fundado em 1988, para colmatar o vazio deixado pela extinção da modalidade no ABC, e ascendeu à primeira divisão em 2005/06, depois de se ter sagrado campeão nacional da segunda divisão em 2004/05.

Depois de nova descida, e de novo título nacional secundário em 2006/07, o HC Braga regressou ao escalão principal em 2007/08, para se fixar como uma das equipas habituais na Taça CERS.

Programa da final-four:

Meias-finais (12 maio)
HC Braga, Por – PAS Alcoy, Esp (19:00).
Bassano, Ita – Vilanova, Esp (21:00).

Final (13 maio), às 17:30.

Nota: horas locais (menos uma hora em Lisboa).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.