O FC Porto isolou-se hoje na liderança do Nacional de hóquei em patins, ao receber e bater o Sporting, por 3-1, num jogo relativo a 20.ª jornada que só teve golos na segunda parte.

Os 'dragões' somam agora 49 pontos, mais três do que os 'leões', e já só dependem de si próprios para serem campeões, quando restam seis jornadas para o fim da prova.

A ausência de golos e o equilíbrio entre os dois contendores foram as notas dominantes da primeira parte, com poucas situações de golo e de perigo para as duas equipas e os dois guarda-redes, Nélson Filipe, do FC Porto, e Ângelo Girão, do Sporting, em bom plano.

O guardião portista teve mais trabalho e conseguiu fechar a sua baliza, com um punhado de boas intervenções, sendo de salientar que nesse período Rafa atirou ao poste da baliza 'leonina'.

A ponta final do primeiro período terminou com algumas quezílias que entre os jogadores, que incendiaram os ânimos entre alguns adeptos e que só não terão resvalado para o confronto direto junto porque a polícia conseguiu impor-se e manter separados os espetadores mais exaltados.

As defesas e os guarda-redes continuaram a impor-se no segundo tempo, o FC Porto atingiu décima falta e Ferran Font foi o eleito para tentar converter o livre direto, mas Nélson Filipe negou-lhe o golo.

Aos 30 minutos, Rafa acelerou pela direita e Pedro Gil fez-lhe frente, mas fez falta, e o FC Porto beneficiou de um livre direto, que Gonçalo Alves tentou transformar e Ângelo Girão defendeu.

O jogo continuou em ritmo elevado e a incerteza manteve-se, até que Pedro Gil cometeu nova falta e o FC Porto ganhou uma grande penalidade. Desta vez, havia 37 minutos, Gonçalo Alves bateu Ângelo Girão e fez o 1-0.

Poka elevou para 2-0 aos 44 minutos, após uma perda de bola de Pedro Gil e um contra-ataque rápido do FC Porto, e segundos depois Ferran Font desperdiçou novo livre direto aos 44 minutos.

Foi em inferioridade numérica e logo depois de Ângelo Girão defender um livre direto e Hélder Nunes que o Sporting reduziu, por Matias Platero, aos 45 minutos.

Com esse golo, os 'leões' ganharam alento extra para lutar pelo resultado e, com o tempo a esgotar-se, tiraram o guarda-redes e apostaram tudo no ataque com cinco jogadores de campo, mas um novo erro permitiu ao FC Porto recuperar a bola e, por Reinaldo Garcia, fazer o 3-1 final, com a baliza deserta.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.