O treinador do FC Porto, Guillem Cabestany, considerou “um momento triste para a modalidade” a decisão do Benfica de não comparecer na meia-final da Taça de Portugal de hóquei em patins.

O técnico da equipa ‘azul e branca’, que garantiu a presença na final da prova, após a falta de comparência do Benfica no jogo, alertou que é necessário tomar medidas para que situações como esta não voltem a acontecer.

"Sinto-me triste. É uma situação triste e é necessário refletir bem e tentar que não volte a acontecer", começou por dizer o treinador dos ‘dragões’.

Guillem Cabestany explicou ainda que respeita todos os clubes e as suas decisões, mas não entende esta que o Benfica levou avante.

"Eu respeito cada clube, tem que tomar as suas decisões, mas compreender, não compreendo. Hoje ia haver um grande espetáculo, era uma oportunidade para ver um grande jogo, entre grandes equipas e grandes jogadores. Cada um tem os seus argumentos, mas não partilho", começou por explicar Cabestany.

O Benfica tomou esta decisão para contestar o estado da modalidade e a dualidade de critérios de que diz ser vítima, depois de ter visto um golo ser-lhe anulado nos minutos finais do encontro com o Sporting e que lhe pode ter custado o título nacional.

"A arbitragem é dos trabalhos mais complicados. Tem de se melhorar e tentar profissionalizar, mas tem de se corrigir muita coisa, falando e trabalhando. É esse o caminho", disse aos jornalistas.

Confrontado com as palavras do treinador do Benfica, Pedro Nunes, que referiu que a anulação do golo que daria a vitória frente ao Sporting na última jornada do campeonato e consequente conquista do título foi premeditada, Guillem Cabestany desvalorizou as palavras.

"Podíamos analisar cada jogo e discutir horas e horas sobre decisões arbitrais. Em muitos dos jogos que vejo, vejo sempre queixas dos árbitros. Em todos os jogos há situações difíceis. Os árbitros podem melhorar. Respeito as palavras do treinador do Benfica mas isto não tira a sensação de trabalho bem feito. Com todo o respeito, é-me indiferente. O Benfica podia ser um justo vencedor, assim como a Oliveirense e o Sporting. Se não nos cuidarmos entre nós, vamos repetir estas conferências de imprensa", disse ainda.

Sobre o adversário que vai encontrar na final, o Sporting de Tomar, o treinador do FC Porto acredita que não pode ser subestimado.

"O Tomar é uma equipa que fez uma grande época. Sabemos o nível desta equipa e o quão bem comandada está. É uma equipa que tem qualidade e amanhã [domingo] tem um rinque nas medidas em que costuma treinar. O que para nós é um ‘handicap'. Modifica muito os estilos de jogo. Não vou desvalorizar o Tomar porque conheço o seu potencial e a ambição que têm de conquistar este troféu", finalizou.

O FC Porto joga este domingo, em Gondomar, a final da Taça de Portugal em hóquei em patins com o Sporting de Tomar, que este sábado venceu o Física por 3-1.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.