O estónio Ott Tanak (Toyota Yaris) ascendeu hoje à liderança do rali da Austrália, última prova do campeonato do mundo, e mantém a pressão sobre o francês Sébastien Ogier (Ford Fiesta) na luta pelo título mundial de pilotos.

Tanak recuperou cinco posições ao longo deste segundo dia de prova, terminando com 2:07.52 horas e uma vantagem de 21,9 segundos sobre o seu companheiro de equipa, o finlandês Jari-Matti Latvala, que é segundo, e 26,3 segundos sobre Hayden Paddon (Hyundai i20).

O piloto estónio manteve um ritmo agressivo durante todo o dia, vencendo cinco das dez especiais disputadas, colocando alguma pressão sobre Ogier, que tem uma vantagem de 20 pontos no campeonato mundial.

"Hoje foi o regresso à normalidade, depois de na sexta-feira ter tido altos e baixos", sublinhou o líder, que acalenta ainda esperanças de conquistar o título.

"Conheço bem o Seb [Ogier] e ele é esperto, mas vamos continuar a fazer o nosso trabalho e nunca se sabe o que pode acontecer", concluiu.

O francês terminou o dia na sexta posição, a 1.44,8 minutos do homem da Toyota, mas com 50 segundos de vantagem para o belga Thierry Neuville (Hyundai i20), o outro candidato ao título.

"Estou numa posição que me permite somar bastantes pontos, pelo que não quero correr riscos excessivos", disse Ogier, depois da última passagem pela super especial de Destination NSW que apanhou alguns dos pilotos de surpresa, pois começou a chover com intensidade, provocando alguns sustos.

O mais inconformado era Jari-Matti Latvala, que cedeu dez segundos nos 2,5 quilómetros.

"Isto é estúpido. Quando se perdem dez segundos em dois quilómetros é porque se está numa corrida diferente. Isto podia ser decisivo na atribuição do título. Imaginem que era Ogier que estava na minha posição", anotou o finlandês.

Já Thierry Neuville teve nesta passagem a sua única vitória do dia e ganhou dois lugares em relação a sexta-feira, mas está já a 2.35,2 minutos de Ott Tanak, quando precisa de recuperar três pontos a Ogier na luta pelo campeonato.

A rivalidade entre as duas equipas ficou hoje bem patente, com o atual campeão mundial a acusar a Hyundai de "falta de desportivismo" por "espalhar rumores pelo paddock" ou "protestar por pequenas coisas".

"Já fizeram o mesmo no México por causa de uma chicane", recordou Ogier.

No domingo disputam-se os últimos seis troços cronometrados, num total de 83,96 quilómetros, incluindo os sete da ‘power stage’.

Esta última especial do rali distribui pontos pelos cinco mais rápidos e poderá ser decisiva nas contas do título.

Com as posições atuais, em caso de vitória de Tanak na ‘power stage’, Ogier tem ainda de marcar dois pontos (equivalente ao quarto lugar).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.