O Rali de Portugal entra hoje na segunda etapa, um conjunto de seis classificativas com 146,28 quilómetros cronometrados e com o surpreendente líder Mikko Hirvonnen (Ford) a defender uma "magra" vantagem de 3,7 segundos.



O piloto finlandês arrebatou a liderança do Rali de Portugal, quarta prova do Campeonato do Mundo de ralis, na última especial de sexta-feira, à frente do estónio Ott Tanak (também num Ford Fiesta RS WRC) e relegando para terceiro o campeão do Mundo, líder do mundial de pilotos e vencedor da prova portuguesa em 2013, o francês Sebastien Ogier (Volkswagen).



O fecho da primeiro etapa em terceiro lugar foi só mais um golpe para a marca alemã, que, na sexta-feira, viu o seu segundo homem, o finlandês Jari-Matti Latvala, despistar-se e capotar, quando, na quinta especial, seguia em segundo lugar da geral.



O piloto finlandês e o seu navegador ficaram bem e a equipa da Volkswagen já garantiu que vai tentar arranjar o seu Polo-R para entrar em prova com as regras Rali2 (para pilotos com problemas técnicos).



Depois de na sexta-feira a escolha de pneus se ter revelado decisiva (Hirvonnen e Tanak escolheram um mix de pneus macios), enquanto a equipa de Ogier preferiu pneus mais duros, as classificativas de hoje poderão apresentar os mesmos problemas de escolha.



"Mais uma vez a escolha de pneus não será fácil, uma vez que se prevê alguma humidade", considerou o piloto francês, que admitiu na sexta-feira ter optado mal por pneus duros. "Pensámos que o terreno estaria muito mais seco", disse.