A oposição xiita do Bahrein anunciou a morte de um homem na madrugada de sábado no local de uma manifestação «selvaticamente» reprimida nas imediações do circuito de Sakhir, onde será disputado no domingo o Grande Prémio de Fórmula 1.

Foi a primeira morte nas manifestações relacionadas com a realização do GP, embora a revolta contra o regime sunita no poder, que começou em fevereiro de 2011, já tenha custado a vida de dezenas de pessoas.

«O corpo do mártir Salah Abbas, de cerca de 30 anos, foi encontrado perto de Shakhura, uma localidade xiita situada quatro quilómetros a leste de Manama, onde um protesto contra o regime foi selvaticamente reprimido pelas forças de segurança», anunciou o Wafaq, principal grupo da oposição, em comunicado.

O Ministério do Interior confirmou na rede social Twitter a descoberta de um corpo no sábado em Shakhura e informou que uma investigação policial tinha sido aberta.

Segundo um membro da família da vítima, em declarações à AFP, Salah Abbas foi detido pelas forças de segurança quando participava numa manifestação próxima de Shakhura.

Após a detenção, «não tivemos notícias dele até o anúncio da descoberta do seu corpo na manhã deste sábado», declarou um parente, que pediu para não ser identificado.

Segundo várias testemunhas, dezenas de manifestantes enfrentaram durante a noite de sexta-feira forças antimotim em vários povoados xiitas situados perto do circuito de Sakhir, convocados pelo movimento dos «Jovens de 14 de Fevereiro», uma coaligação radical.

Os distúrbios foram registrados após uma manifestação nas entradas de Karzakab, Al-Malikiya, Dumistão e Sada, povoados situados a alguns quilómetros do circuito, próximo a Manama, disseram.

Alguns manifestantes estavam encapuzados e outros usavam faixas com a inscrição «Sou o próximo mártir». Entre os manifestantes também estavam muitos jovens vestidos de preto.

Vários jovens incendiaram pneus nas estradas que levam a seus povoados e atiraram pedras e cocktails molotov aos agentes de autoridade, que responderam com bombas de gás lacrimogénio.

Os manifestantes bradavam palavras de ordem hostis ao governo, repetindo «Abaixo Hamad!», em referência ao rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa.

Nos últimos dias, a oposição denunciou dezenas de detenções e alguns feridos na repressão aos protestos.

O movimento «Jovens de 14 de Fevereiro» prometeu «três dias de ira» coincidindo com a realização do Grande Prémio de Fórmula 1, com o lema «Não à fórmula de sangue».

O protesto xiita no Bahrein motivou a retirada de uma das equipas da segunda sessão de treinos livres.

Apesar de tudo, o príncipe herdeiro, Salman Ben Hamad al-Khalifa descartou o cancelamento da prova, porque, segundo ele, «favoreceria os extremistas».

As manifestações, convocadas pela oposição xiita que pede reformas constitucionais neste reino governado por uma dinastia sunita, obrigaram as autoridades a reforçarem a segurança do circuito de Sakhir, próximo à capital.

Organizações humanitárias criticaram a realização da corrida em plena crise política.

Segundo uma comissão independente, a repressão da revolta de fevereiro e março do ano passado deixou 35 mortos, sendo quatro por tortura. A Anistia Internacional indica, por sua vez, 60 pessoas mortas desde o início do movimento.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.