A sessão desta quarta-feira da edição 2021 do Torneio de Wimbledon terminou, no ‘court’ central, com um encontro épico do herói local, o britânico e antigo bicampeão da prova Andy Murray.

O escocês travou uma batalha em cinco ‘sets’ com o alemão Oscar Otte, conseguindo levar a melhor, com os parciais de 6-3, 4-6, 4-6, 6-4 e 6-2, para marcar encontro com o jovem canadiano Denis Shapovalov, de 22 anos, na fase seguinte da prova.

Num encontro de quase quatro horas no 'Centre Court', Murray somou a 25.ª vitória da carreira em cinco sets. Recorde-se que, depois de um largo período afastado dos courts, Murray está atualmente fora do top 100 mundial e, aos 34 anos e a competir com uma prótese de metal na anca, contraria aqueles que diziam que já devia ter abandonado os courts.

Djokovic confirma, Murray resiste e Pedro Sousa eliminado

Já o número um mundial de ténis, Nokak Djokovic, acedeu também à terceira ronda de Wimbledon, terceiro ‘major’ da época, mas com bem mais facilidade, ao derrotar o sul-africano Kevin Anderson, num dia em que Andy Murray resistiu a cinco ‘sets’ e Pedro Sousa foi eliminado.

O número dois português e 121.º do ‘ranking’ ATP tinha estreia agendada para terça-feira, mas, devido à chuva, viu o seu encontro com o italiano Lorenzo Sonego, 23.º cabeça de série, adiado para hoje no ‘court’ número quatro do All England Club, onde acabou por perder em três ‘sets’, por 6-2, 7-5 e 6-0.

Além da derrota naquela que foi a sua estreia absoluta no quadro principal no torneio londrino, Pedro Sousa, de 33 anos, ressentiu-se da lesão abdominal contraída na primeira ronda da fase de qualificação de Roland Garros, segundo ‘major’ da temporada.

“Tive uma queda no início do primeiro ‘set’ e voltei a sentir o abdominal, principalmente no serviço. Com tratamento melhorei e consegui continuar a disputar o resultado, mas a meio da segunda partida piorei bastante e não consegui manter o nível”, contou à agência Lusa, confessando ser “um pouco frustrante” não ter conseguido lutar com todas as armas.

Entre os principais favoritos, Novak Djokovic e o sul-africano Kevin Anderson reeditaram a final de 2018, com o sérvio a levar novamente a melhor, de novo em três ‘sets’ e sem enfrentar um único ‘break point’, por triplo 6-3, em apenas uma hora e 41 minutos, e somente com seis erros não forçados.

“Obviamente que estou com os níveis de confiança em alta, depois de ganhar Roland Garros. Mas estava nervoso para este encontro porque ia jogar com um bom jogador, experiente e que enfrentei na final há três anos. Mas fiz coisas dentro e fora do ‘court’ que me fazem sentir focado e, ao mesmo tempo, calmo e com as ideias claras quanto ao meu plano de jogo. Fiz o meu trabalho de casa, falei com o meu treinador e trabalhei bem nos treinos”, avançou o tenista de Belgrado.

O bicampeão em título registou a 13.ª vitória consecutiva, após conquistar o ATP 250 de Belgrado e Roland Garros, e assegurou a passagem à terceira ronda, pela 15.ª vez na carreira, marcando encontro com o norte-americano Denis Kudla, que eliminou hoje o italiano Andreas Seppi, carrasco de João Sousa na jornada inaugural, em três partidas, por 6-2, 6-4 e 6-2.

Tal como o líder do ‘ranking’ mundial, à procura do sexto troféu em Wimbledon e 20.º título do Grand Slam, o russo Andrey Rublev, quinto cabeça de série, também confirmou o seu favoritismo ante o sul-africano Lloyd Harris (51.º ATP), por 6-1, 6-2 e 7-5, e vai agora defrontar o italiano Fabio Fognini, que bateu o sérvio Laslo Djere, pelos parciais de 6-3, 6-4, 0-6 e 6-4.

Apurados para a terceira ronda estão o italiano Matteo Berrettini, sétimo pré-designado, com um triunfo sobre o argentino Guido Pella, por 6-4, 3-6, 6-4 e 6-0, e o australiano Nick Kyrgios, de regresso à competição após o Open da Austrália, ao sobreviver a um longo e equilibrado duelo com o francês Ugo Humbert, por 6-4, 4-6, 3-6, 6-1 e 9-7.

Quadro feminino sem surpresas

Na competição feminina, a bielorrussa Aryna Sabalenka, número quatro no ‘ranking’ WTA, qualificou-se para a terceira ronda com uma vitória ante a britânica Katie Boulter (217.ª WTA) por 4-6, 6-3 e 6-3, assim como a ucraniana Elina Svitolina (5.ª WTA) assegurou a manutenção na prova com um triunfo diante a belga Alison Van Uytvanck, pelos parciais de 6-3, 2-6 e 6-3.

A espanhola Garbiñe Muguruza, campeã do ‘major’ britânico em 2017, por sua vez, só precisou de duas partidas para afastar a holandesa Lesley Kerkhove, por 6-1 e 6-4, assim como a polaca Iga Swiatek (9.ª WTA) despachou a russa Vera Zvonareva, por 6-1 e 6-3.

Entre as jogadoras eliminadas destaque para o desaire da norte-americana Sofia Kenin, quarta cabeça de série, frente à compatriota Madison Brengle, por 6-2 e 6-4, e a derrota da canadiana Bianca Andreescu (7.ª WTA) ante a francesa Alize Cornet, com os parciais de 6-1 e 6-2.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.