Foi, provavelmente, a pior exibição de Kim Clijsters desde o seu regresso ao circuito profissional, no Verão de 2009, mas Victoria Azarenka (8.ª WTA) não se importou, venceu com um duplo 6-3 e é a bielorrussa que, hoje, em Miami, discute com Vera Zvonareva um lugar na final do Sony Ericsson Open.

«Não me senti bem, tanto mental como fisicamente, não sei, a combinação de algumas coisas… Os últimos dias foram duros, mas não de uma forma para a qual não estivesse preparada porque treino o físico de uma forma muito forte. Mentalmente, senti que não tive nenhum espírito de luta. Contra jogadoras com ranking mais baixo é possível seguir em frente, mas não contra alguém como ela», resumiu Clijsters, que na véspera, frente a Ana Ivanovic, tinha escapado a cinco match-points. No entanto, a belga não se queixou da lesão no ombro que a obrigou a retirar-se em Indian Wells, duas semanas antes e que colocou em perigo a presença em Miami.

Clijsters terminou o encontro de uma hora e 20 minutos com 44 erros não forçados (entre os quais oito duplas-faltas), ou seja dois terços dos pontos ganhos por Azarenka. E a número dois do ranking ganhou apenas três dos nove jogos de serviço!

Azarenka, vencedora deste torneio em 2009 sob o comando do treinador português António Van Grichen, defronta Vera Zvonareva, contra quem perdeu seis dos oito duelos anteriores. A russa, número três do ranking ultrapassou a polaca Agnieszka Radwanska, por 7-5, 6-3, mantendo uma excelente consistência de resultados: venceu em Doha, e foi semifinalista no Open da Austrália e Pattaya.

A jornada de hoje abre com a outra meia-final, entre a russa Maria Sharapova e a alemã Andrea Petkovic, que já eliminou em Miami a número um Caroline Wozniacki e a ex-líder do ranking, Jelena Jankovic.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.